Pesquisar
Pesquisar

Por que voto em Luciana Genro

Paulo Cannabrava Filho

Tradução:

 

Respondendo a pergunta de vários curiosos, vou votar em Luciana Genro pra presidenta. Por muitas razões das quais passo a esclarecer apenas algumas que considero mais importantes.

Luciana-Genro2Primeiro: Luciana Genro fez uma campanha como penso que deveriam ser as campanhas de todos os candidatos. Explico.
Sem dinheiro das empreiteiras e dos bancos.
Sem marqueteiro vendendo candidato como se vende sabonete, criando um clima de fantasia para impressionar e enganar as pessoas.
Luciana Genro fez uma campanha limpa, apresentando-se como ela é. E, ela é formidável, há que se admitir: culta, espontânea, bem articulada, bem humorada, ágil, discurso claro com começo, meio e fim, fazendo-se entender a todo tipo de público.
Quando encurralada, acabou com os adversários, sem ofender ninguém, apenas com argumentos sólidos. Marina ficou muda. O Fidelix desmoronou, ou seja, baixou ao mais baixo nível diante da clareza de Luciana.
Nos programas eleitorais, via-se ela e seu programa. Um excelente programa, que abarca todos os pontos de interesse nestas eleições. Nisso se vê que está bem assessorada.
Coloquei alguns pontos do programa de Luciana Genro no meu blogue. Pena que não tive tempo de colocar mais. Recomendo que leiam, está na web. É muito melhor que o remendado de Marina ou o do que a Dilma não apresentou.
Para deputado federal votarei no Adriano Diogo. Ele foi um ótimo vereador, melhor deputado e será melhor ainda como deputado federal. Sempre esteve ligado e lutando pelas melhores causas.
Luciana Genro1Havendo segundo turno, votarei na Dilma. Não haverá outra escolha, seja quem for disputar com ela. A continuidade é melhor que mudar para pior.
Observo os passos de Marina desde que despontou como liderança no Acre. Desconfio de todos os seus apoiadores, não só os da campanha atual, mas os de toda sua vida política. Dificilmente terá condições de governabilidade e, se tiver, Deus nos acuda.
Quanto a Aécio, ele declarou que já convidou Armínio Fraga/Soros para ser ministro. Será portanto repetição do que foi o governo de FHC, um governo para os estrangeiros. Quero um governo para os brasileiros. Precisamos nos livrar da ditadura do capital financeiro.
Para governador, o cenário está complicado. Não entendo porque o PT lançou o Padilha candidato a governador. Com isso só aumentou as chances de reeleição do Alckmin. A única maneira de derrotar o PSDB em São Paulo é com uma aliança tendo o PMDB na cabeça.
Para deputado estadual, votarei no Khaled Mahassen. É voto para um intelectual marxista autêntico. Votando nele estarei também votando pelos palestinos, contra a ocupação/invasão da Palestina, do Iraque, da Líbia, do Afeganistão e todas as violências praticada pela aliança EUA/Israel/União Europeia.
*Esta é minha opinião pessoal, sem detrimento da dos companheiros e colaboradores de Diálogos do Sul
[show_avatar email=6 align=left user_link=website show_name=true show_email=true show_biography=true show_postcount=true show_last_post=true avatar_size=90]Paulo Cannabrava Filho*  
 
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei