Pesquisar
Pesquisar

Presidente da Bolívia pede que governos mantenham região como zona de paz

“Trump insiste com a ameaça de um ataque militar contra a Venezuela e com o intervencionismo em Cuba e na Nicarágua", denunciou Evo Morales
Redação Cubadebate
Havana

Tradução:

O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu nesta semana que se  mantenha a América Latina como zona de paz, ante as ameaças de um ataque militar por parte dos EUA contra a Venezuela, após o discurso do mandatário estadunidense, Donald Trump, na Flórida.

“Trump insiste com a ameaça de um ataque militar contra o povo irmão da Venezuela e com o intervencionismo em Cuba e na Nicarágua. Os povos livres do mundo defendem sua soberania com dignidade ante agressões armamentistas contra a humanidade. A América Latina é uma zona de paz”, escreveu Morales em sua conta no Twitter.

Um comunicado da chancelaria boliviana fez eco às acusações do governo venezuelano sobre uma iminente intervenção militar, que seria orquestrada com o pretexto de levar “ajuda humanitária” à Venezuela, em apoio ao autoproclamado “presidente encargado”, o líder legislativo opositor Juan Guaidó.

“Frente ao evidente fracasso da agenda golpista arquitetada em Washington, com o objetivo de instaurar na Venezuela um governo fantoche que permita o roubo de seus recursos, Donald Trump pretende agora ditar ordens diretas aos militares venezuelanos para que estes desconheçam a Constituição”, manifestou a chancelaria boliviana.

Com estes chamados aos militares, os Estados Unidos estão “demonstrando sua falta de compreensão do espírito de lealdade da Força Armada Bolivariana da Venezuela”, afirmou.

O documento também denunciou que as ameaças de Trump se estenderam aos povos de Cuba e da Nicarágua, países que se solidarizaram com os constantes ataques que sofre a Venezuela.

Tradução: Miguel Breyton (Comitê Pela Paz na Venezuela)


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri