Pesquisar
Pesquisar

Presidente da Huawei revela impacto negativo de ofensiva dos EUA contra a empresa

Executivo também reafirmou o compromisso da empresa com a ética e cumprimento das leis em qualquer país em que opere
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Beijing

Tradução:

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, falou sobre o impacto negativo que a empresa chinesa sofrerá como consequência das crescentes restrições impostas pelos Estados Unidos para frear seu desenvolvimento e expansão global.

Em um debate público, o executivo revelou que os ganhos poderiam baixar a 100 bilhões de dólares entre este ano e o outro por uma queda previsível de 40 por cento nas exportações de telefones inteligentes.

A empresa ingressou 105 bilhão de dólares em 2018 e pronosticava aumentar os rendimentos a 125 bilhões no presente ano.

Ren também mencionou que atualmente Huawei está impossibilitada de adquirir componentes, participar em muitas organizações internacionais, trabalhar com universidades e estabelecer contatos com quem utiliza tecnologia produzida nos Estados Unidos.

Não obstante, previu uma recuperação para 2021, remarcou os planos de continuar com as investigações e projetos de desenvolvimento sobre inovação e descartou demissões em massa de trabalhadores.

Executivo também reafirmou o compromisso da empresa com a ética e cumprimento das leis em qualquer país em que opere

Prensa Latina
O presidente da Huawei, Ren Zhengfei

Negou as acusações de roubo de propriedade intelectual e espionagem lançadas por Washington e expressou disposição a assinar acordos com outros países sobre um reforço da segurança nas equipes e redes fornecidos pela corporação.

“A Huawei contribuiu com a conexão de três bilhões de pessoas, nos últimos 30 anos fez negócios em uma trinta países do mundo, o que demonstra a segurança de nossos dispositivos”, dimensionou.

Assim, fez questão de apontar que a cooperação é o melhor caminho para afastar qualquer dúvida e resolver de maneira aberta, progressiva e criativa as possíveis vulnerabilidades derivadas do avanço tecnológico.

Reafirmou o compromisso da empresa com a ética e cumprimento das leis em qualquer país em que opere, bem como sua vontade para compartilhar os conhecimentos tecnológicos como a 5G, a rede de maior velocidade de conexão.

Ren deu estas declarações aos experientes estadunidenses George Gilder e Nicholas Negroponte sobre a situação criada pelas barreiras levantadas pela Casa Branca.

A cruzada anti Huawei está em seu ápice e levou companhias estadunidenses e estrangeiras a dar as costas à corporação chinesa, que tem apelado a alternativas que devem a ajudar a se blindar de previsíveis perdas no curto prazo, substituir importações e seguir adiante com a inovação.

A gigante tecnológica apresentou uma moção que procura agilizar o julgamento sobre a demanda interposta contra o governo dos Estados Unidos por frear suas operações sem apresentar evidência alguma que demonstre as acusações de suposta ameaça à segurança.

A audiência de dita moção será em 19 de setembro próximo.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição