Pesquisar
Pesquisar

Presidente do Equador descaracteriza projeto de lei que garante aborto em caso de estupro

Guillermo Lasso quer incluir necessidade de exames médicos e compilação de informações que comprovem o estupro e "sirvam para investigar o delito"
Michele de Mello
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente do Equador, Guillermo Lasso vetou parcialmente o projeto de lei que previa a legalização do aborto até a 12ª semana de gestação em casos de estupro. Através de comunicado, publicado na noite de terça-feira (15), o mandatário listou 61 observações ao texto aprovado pelo Congresso em fevereiro. Dessa forma, o texto volta para análise da Assembleia Nacional nos próximos 30 dias.

Lasso já havia antecipado que poderia vetar a proposta. Membro da Opus Dei, o ex-banqueiro já se manifestou em mais de uma ocasião contrário o direito do aborto. “Como homem católico seguirei vivendo segundo meu credo, mas como presidente farei de tudo que está em minhas mãos para respeitar os princípios de um sistema plenamente republicano e democrático”, afirmou.

Na sua justificativa, o presidente afirma que há artigos da legislação que “ferem o marco legal equatoriano” e por isso devem ser revisados.

Guillermo Lasso quer incluir necessidade de exames médicos e compilação de informações que comprovem o estupro e "sirvam para investigar o delito"

Facebook
Guillermo Lasso fez 61 observações ao projeto de lei original sobre legalização do aborto em casos de estupro no Equador

Entre as exigências, Lasso quer incluir a necessidade de realização de exames médicos e compilação de informações que comprovem o estupro e “sirvam para investigar o delito”. No nome da lei propõe alterar o verbo “garantir”  para “regular” a interrupção da gravidez. 

Pede a unificação dos prazos para realização do procedimento, limitando a 12 semanas. O texto original previa até 18 semanas como prazo máximo para realização do aborto quando se tratassem de vítimas de estupro que residem em zonas rurais ou menores de 18 anos.

O mandatário também rejeita o protocolo proposto para atenção integral à vítima.

No Equador, entre 2016 e 2020, foram registradas cerca de 27 mil denúncias de estupro, segundo o Ministério Público. Entre 2004 e 2014, 431.614 pessoas interromperam a gravidez, aponta o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INEC).


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Michele de Mello

LEIA tAMBÉM

Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
000_346Y7KJ
Eleição na Venezuela: chavismo aposta na mobilização social; oposição se anima com pesquisas eleitorais
20140517por-ramiro-furquim-6030
O que explica a baixa participação nas eleições primárias no Uruguai?