Pesquisar
Pesquisar

Presidente espanhol e líder separatista catalão se reúnem em Madri para restabelecer diálogo

Encontro acontece após o governo espanhol indultar políticos catalães separatistas que cumpriam pena por participação na falida declaração da independência da Catalunha
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O presidente espanhol, o socialista Pedro Sánchez, decidiu, nesta terça-feira (29), com o mandatário catalão recém eleito, o independentista Pere Aragonés, “reativar o diálogo” entre ambos os governos para encontrar uma solução ao conflito político que persiste na região. 

Sánchez e Aragonés se reuniram em Madri depois que o governo espanhol indultou políticos catalães separatistas que cumpriam pena por sua participação na falida declaração da independência da Catalunha de 2017, mas também com um resolução do Tribunal de Contas, que reclama uma fiança de mais de 5,4 milhões de euros a 41 líderes catalães que integraram uma “rede exterior” de 2011 a 2017 para prover a secessão.

Entre os líderes independentistas que deverão pagar a fiança, sob o risco de sofrer o embargo de seus bens, estão os ex-presidentes Carles Puigdemont e Artur Mas, o ex-vice-presidente Oriol Junqueras e o ex-conselheiro Raúl Römeva.

Encontro acontece após o governo espanhol indultar políticos catalães separatistas que cumpriam pena por participação na falida declaração da independência da Catalunha

Crônica Global
Pedro Sánchez cumprimenta Pere Aragonès na reunião de Pedralbes, sob o olhar de Quim Torra / CG

Aragonés se converteu recentemente no primeiro presidente da Generalitat de Esquerra Republicana de Catalunya (ERC), após as eleições autonômicas do passado 14 de fevereiro, depois de uma difícil negociação com outros dois partidos independentistas, Junts per Catalunya (JxCat) e os anticapitalistas de Candidatura de Unidad Popular (CUP).

Sánchez recebeu Aragonés na escalinata da casa de governo espanhol, o Palácio de La Moncloa antes de manter uma reunião de duas horas na qual decidiram reativar o diálogo, com vistas a resolver o conflito na Catalunha. Aragonés solicitou uma lei de anistia que anule as condenações dos políticos julgados pelo Tribunal Supremo e que se levante a ordem de captura dos líderes catalães refugiados em outros países, entre eles Puigdemont.

Sánchez e Aragonés resolveram criar um grupo de trabalho no qual se abordará o atual Estatuto de Autonomia da Catalunha e se negociarão os investimentos que serão feitos pelo Estado na região, sobretudo em infraestrutura e em políticas sociais para paliar a crise econômica e sanitária provocada pela pandemia do coronavirus. Nesse ponto serão negociados os fundos que procedem da União Europeia (UE), que apenas no primeiro pacote superarão os 70 bilhões de euros. 

Ao sair do encontro, Aragonés reconheceu que sua postura e a de Sánchez estão distantes quanto à independência da Catalunha, sobretudo pela recusa de Madri a um referendo vinculante sobre a secessão. A possibilidade de um processo assim não está contemplada na Constituição espanhola, motivo pelo qual seria necessária uma reforma. Os mandatários coincidiram em aprofundar o “diálogo” e a “negociação” para encontrar uma saída. 

Armando G. Tejeda, Correspondente de La Jornada em Madri

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação