Pesquisar
Pesquisar

Primeiro artigo da nova Constituição define garantia dos direitos sociais no Chile

“A proteção e garantia dos direitos humanos individuais e coletivos são o fundamento do Estado e orientam toda a sua atividade", diz ainda o texto
Victor Farinelli
Jornal GGN
Valparaíso

Tradução:

A Convenção Constitucional do Chile, que elabora a nova carta magna do país, aprovou nesta segunda-feira (11/4) aquele que será o seu artigo primeiro, que define o país como um “Estado social e democrático de direito”.

Este artigo substituirá o conceito de estado subsidiário, presente na atual constituição chilena, que foi imposta em 1980 pela ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

O artigo primeiro também afirma que o Chile será uma república plurinacional, intercultural e ecológica. A norma foi aprovada por 114 votos a favor, 26 contra e 10 abstenções.

O segundo parágrafo do mesmo artigo primeiro diz que “O Chile se constitui como uma República solidária, sua democracia é paritária e reconhece como valores intrínsecos e irrenunciáveis a dignidade, a liberdade, a igualdade substantiva dos seres humanos e sua relação indissolúvel com a natureza”.

“A proteção e garantia dos direitos humanos individuais e coletivos são o fundamento do Estado e orientam toda a sua atividade", diz ainda o texto

República Federal do Chile
“Nova Constituição tem que ser uma Constituição de saída do neoliberalismo", afirma especialista

Direitos humanos individuais e coletivos

“A proteção e garantia dos direitos humanos individuais e coletivos são o fundamento do Estado e orientam toda a sua atividade. É dever do Estado gerar as condições necessárias e prover os bens e serviços para assegurar o igual desfrute dos direitos e a integração das pessoas na vida política, econômica, social e cultural para o seu pleno desenvolvimento”, reza o terceiro e último parágrafo deste artigo primeiro agregado à nova constituição chilena.

O GGN entrevistou Fernando Atria, um dos mais importantes advogados constitucionalistas do Chile e membro destacado da Convenção Constitucional, que explicou a importância deste novo artigo primeiro e sua mudança de paradigma em comparação com a definição do Estado na carta magna pinochetista.

Pesquisadora explica como Chile conseguiu avançar rumo a uma nova Constituição

Em um trecho da entrevista, o constituinte disse que “a nova Constituição tem que ser uma Constituição de saída do neoliberalismo. E sair do neoliberalismo supõe, primeiro, a afirmação do oposto do Estado subsidiário, que o que significa no Chile é o Estado neoliberal”

“O importante é o Estado Social, que é um Estado que assume a obrigação de assegurar direitos sociais (…) um Estado que tem uma responsabilidade social de assegurar direitos sociais que são direitos a uma cidadania, e não apenas a uma proteção mínima. Esta é umas das demandas mais centrais da cidadania com a respeito à nova Constituição”, completou Atria.

A entrevista com Fernando Atria foi realizada na última sexta-feira (8/4) – portanto, antes da aprovação do artigo –, pelas jornalistas Patrícia Faermann e Victor Farinelli, e será transmitida em breve pela TV GGN.

Vitor Farinelli, Jornal GGN


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Victor Farinelli

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia