Pesquisar
Pesquisar

Primeiro líder progressista após a ditadura, morte de Vázquez deixa Uruguai em luto

Uruguaio governou por dois mandatos e liderou país que avançou em reformas ousadas e cidadãs
Redação RBA
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

O ex-presidente do Uruguai Tabaré Vázquez morreu na madrugada deste domingo (6). Ele tinha 80 anos e lutava contra um câncer no pulmão. Tabaré, líder da Frente Ampla que iniciou uma temporada de governos progressistas em seu país, foi eleito pela primeira vez na década passada e governo de 2005 a 2010. Em seguida, elegeu seu sucessor José Pepe Mujica e voltou a vencer para novo mandato, o terceiro seguido da Frente Ampla, entre 2015 e 2020. Foi sucedido em março por Luis Lacalle Pou, do Partido Liberal.

“Seu exemplo de integridade política e compromisso inquebrável com o nosso país e nossa gente nos impulsionará a continuar o seu legado”, diz a nota da Frente Ampla. Sob os governos de Vázquez e de Pepe Mujica, o Uruguai combinou crescimento econômico com distribuição de renda, amplos investimentos em educação pública e saúde. A taxa de pobreza caiu de 40% para 8%, o PIB aumentou em média 4% ao ano e o número de pessoas com cobertura médica aumentou de 700 mil para 2,5 milhões. O país ousou também com a aprovação de leis que regularam o direito ao aborto, o casamento homoafetivo e o consumo de maconha. 

Uruguaio governou por dois mandatos e liderou país que avançou em reformas ousadas e cidadãs

Venezolana de Televisión
Tabaré Vázquez morreu na madrugada deste domingo (6) aos 80 anos.

“Tabaré Vázquez foi um grande médico e político, por duas vezes presidente do Uruguai, que governou com sabedoria e competência, deixando um legado de democracia, desenvolvimento e avanços sociais no nosso querido país vizinho”, disse em nota o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Fomos presidentes juntos e só guardo boas memórias de sua atuação pela cooperação e integração da América do Sul. Hoje perdi um amigo querido meu e do Brasil.”

O presidente Luis Lacalle Pou elogiou o adversário político e afirmou que Tabaré Vázquez enfrentou sua batalha contra o câncer com serenidade e coragem. “Tivemos diálogos pessoais e políticos que valorizo e recordarei. Serviu seu país com esforço e obteve êxitos importantes. Foi o presidente dos uruguaios. O país está de luto”, disse em nota.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação RBA

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia