Pesquisar
Pesquisar

Privados de serviços básicos, imigrantes sofrem círculo vicioso de violação dos direitos humanos

Crianças e adolescentes de todas as idades foram separados de seus pais sem atendimento psicológico, como uma forma de desincentivar a imigração
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Uma das grandes violações de direitos contra a infância e a juventude se perpetra diante dos olhos do mundo, sem provocar o menor movimento de reparação ou a busca urgente de soluções.

Para esta enorme quantidade de crianças e adolescentes que fogem de seus países de origem buscando refúgio longe de seu lar, não há resguardo.

Independentemente do que motivou este êxodo, ficou claro diante da comunidade internacional como as autoridades estadunidenses desfocaram seu olhar e sob as políticas racistas e xenófobas do ex-presidente Donald Trump, converteram as instalações fronteiriças em um campo de concentração no estilo das prisões de Guantánamo.

Crianças e adolescentes de todas as idades foram recluídos nessas imensas bodegas, separados de seus pais e sem atendimento psicológico, como uma forma de desincentivar a imigração, enviando essa dura mensagem àqueles que pretendem buscar sua sobrevivência no país do norte.

A nova administração enfrenta agora à tarefa monumental de desfazer os nós legais anti-imigração instalados pelo governo de Donald Trump, cujas decisões ocasionaram um dano irreparável a milhares de famílias centro-americanas que só buscam um refúgio contra a criminalidade desatada em seus países, perpetrada principalmente pelas autoridades de plantão

Crianças e adolescentes de todas as idades foram separados de seus pais sem atendimento psicológico, como uma forma de desincentivar a imigração

anistia.org
A infância é sacrificada em aras da corrupção e da desídia

Olhos fechados

Enquanto a infância é sacrificada em aras da corrupção e da desídia daqueles que governam seus países de origem –  especialmente Guatemala, Honduras e El Salvador – estes líderes políticos fecharam os olhos diante da inconcebível violação dos direitos humanos de sua população mais jovem e a abandonam à sua sorte, concentrados em acumular riqueza pessoal e utilizar os fundos públicos para a consolidação de suas redes de influência.

Nesta tarefa não estão sozinhos: contam com o irrestrito apoio das poderosas organizações empresariais e o respaldo de militares, congressistas, juízes e magistrados, cuja influência de Estado corrompeu até a medula os entes políticos e judiciais

Antes de assinalar com tanta dureza as famílias das quais desertam estas milhares de crianças e adolescentes, é importante lançar um olhar à situação na qual vivem suas populações.

Privações

Privadas de atenção estatal, de serviços básicos, de segurança sanitária e de fontes de trabalho devido ao esbanjamento e descarado daqueles que têm a responsabilidade e a decisão sobre as políticas públicas em educação, saúde e alimentação, encontram-se encurraladas em um círculo vicioso de violência do qual é impossível escapar.

A isso se deve somar a desnutrição crônica infantil, cujo efeito sobre mais da metade da infância a condena a uma morte lentaredes de tráfico de pessoas e de drogas, cujas operações impunes contam com a proteção dos governos.

Para as sociedades destes países, a situação da infância errante não é prioridade.

Concentrada em assuntos que lhe tocam muito mais de perto, como a própria sobrevivência, tem um olhar seletivo quando se trata de crianças a adolescentes de setores pobres.

Esta indiferença é também um fator decisivo no destino deste grande conglomerado, dado que seus problemas e carências não afetam de maneira contundente a sensibilidade coletiva, e a sociedade prefere focar-se em temas que lhes tocam de maneira direta.

Esta é uma das razões do abandono: a falta de incidência nos assuntos dos Estados e a escassa vontade de lutar para recuperar a integridade de suas instituições. Neste cenário, a infância perde todas. 

A infância carece de oportunidades onde seu bem-estar não é prioritário

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia