Pesquisar
Pesquisar

“Promotores pedem condenação para ex-comandante que trabalhava com García Luna”

Reyes Arzate é acusado de conspiração para a distribuição internacional de cocaína, acusação da qual se declarou culpado
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Promotores estadunidenses solicitam que um juiz imponha uma condenação de 10 anos de prisão contra Iván Reyes Arzate, ex-comandante da Unidade de Investigações Sensíveis e subordinado de Genaro García Luna, quando se apresente para escutar sua sentença nesta quarta-feira em um tribunal federal desta cidade.

Reyes Arzate é acusado de conspiração para a distribuição internacional de cocaína, acusação da qual se declarou culpado em outubro de 2021, aceitando ser responsável de conspirar para importar mais de 450 quilos de cocaína.   

Quem é Monark e por que ele é perigoso para o debate democrático?

A acusação detalha que em novembro de 2016, enquanto Reyes Arzate participava em sua qualidade de comandante da Unidade de Investigações Sensíveis em uma investigação conjunta com autoridades estadunidenses contra o chamado cartel El Seguimiento 39 – associado com o Cartel de Sinaloa e os Beltrán Leyva entre outros – ele se reuniu com líderes desse cartel com os quais compartilhou informação sobre a investigação conjunta e aceitou um suborno de 290 mil dólares em troca de sua colaboração. 

Em sua recomendação ao juiz federal Brian Cogan – o mesmo juiz encarregado do julgamento pendente de Genaro García Luna programado para outubro – os promotores resumem a história do caso, e dizem que tal condenação servirá de “dissuasivo” geral para outros oficiais que contemplem atos corruptos em apoio a narcotraficantes. 

“Tal como sabe este tribunal, é demasiado comum que oficiais de cumprimento de lei no México corruptamente forjem alianças com cartéis que enviam grandes quantidades de drogas aos Estados Unidos e que rotineiramente cometem atos horrendos de violência. Uma condenação significativa demonstrará que os Estados Unidos permanecem comprometidos a erradicar a corrupção, onde quer que exista, e evitar que os cartéis de drogas enviam quantidades massivas de drogas aos Estados Unidos”, argumentam o promotor federal Breon Peace e seus assistentes em sua recomendação por escrito.

Concluem que “posto de maneira simples, o acusado optou pela avareza e a corrupção sobre o bem-estar dos cidadãos do México e dos Estados Unidos”. 

Reyes Arzate é acusado de conspiração para a distribuição internacional de cocaína, acusação da qual se declarou culpado

Facebook
Iván Reyes Arzate, ex-comandante da Unidade de Investigações Sensíveis e subordinado de Genaro García Luna

A Unidade de Investigações Sensíveis foi uma entidade criada com apoio do governo em Washington, particularmente a DEA, e conformada por pessoal verificado e capacitado por oficiais estadunidenses. Portanto, Reyes Arzate foi um dos principais interlocutores nas operações bilaterais antinarcóticos, trabalhando diretamente com agentes da DEA no México e intercâmbio de inteligência com suas contrapartes estadunidenses.

Reyes Arzate foi integrante da Polícia Federal de 2003 a 2016 e em 2008 foi nomeado comandante da Unidade de Investigações Sensíveis. Foi afastado pouco depois de sua reunião com os líderes de El Seguimiento 39.

Em março de 2017, o acusado se apresentou voluntariamente a um tribunal federal em Chicago a propósito de uma acusação e ordem de detenção girada no mês anterior. Em julho foi formalmente acusado de obstrução de justiça, e em 2018 Reyes Arzate decidiu não contestar as acusações e foi sentenciado a 40 meses de prisão.  

Em 23 de janeiro de 2020, quatro dias antes de que estava programada sua saída da prisão e ser deportado para o México, foram apresentadas novas acusações que agora enfrenta em Nova York. Foi detido antes de sair da prisão e permanece encarcerado até a presente data. 

David Brooks, Correspondente, Nova YorK

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu