Pesquisar
Pesquisar

Protestos contra Marco Temporal: STF analisa pauta nesta quarta (7) e pode impedir barbárie

Com faixas, cartazes e bloqueios de rodovias, manifestantes em todo Brasil pedem que o Supremo declare a tese inconstitucional
Murilo Pajolla
Brasil de Fato
Lábrea

Tradução:

Lideranças, ativistas e organizações indígenas organizam protestos nesta quarta-feira (7) em todo o Brasil contra o marco temporal das terras indígenas. Defendida por ruralistas como estratégia para travar demarcações, a tese jurídica é analisada hoje pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Com faixas, cartazes e bloqueios de rodovias, os manifestantes pedem que o Supremo declare a tese inconstitucional. Nos pontos de interdição, os indígenas liberam a passagem de ambulâncias, bombeiros e outros serviços emergenciais.

Continua após o banner

Os protestos ocorrem nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Roraima, além do Distrito Federal. As polícias rodoviárias acompanham os atos. Até o momento não houve registro de violência contra os manifestantes.

Em São Paulo (SP), um ato reúne organizações da sociedade civil, artistas e lideranças indígenas ao meio-dia de hoje (7) na escadaria do Teatro Municipal, na região central da cidade. As cantoras Daniela Mercury e Zélia Duncan participam da mobilização.

Em Brasília (DF), a votação é acompanhada por milhares de indígenas de diferentes partes do país, que se reúnem em um acampamento da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

Na rodovia Fernão Dias (MG), região metropolitana de Belo Horizonte, indígenas Pataxó e Pataxó Hã-Hã-Hãe da aldeia Katurama fecharam o tráfego durante a manhã desta quarta.

Outro bloqueio ocorreu na BR-116, região metropolitana de Curitiba (PR), que liga a capital paranaense a São Paulo. Os manifestantes interditaram o tráfego por duas horas no início da manhã.

No sul da Bahia, um protesto interditou a BR-101, que liga o Nordeste ao Sul do país. A mobilização começou por volta das 6h, com a participação de moradores das terras indígenas Barra Velha, Comexatibá, Ponta Grande e Coroa Vermelha.

Leia também: Marco temporal é “recado” da bancada ruralista ao STF, que analisa mesma pauta em junho

Em Santa Catarina, a rodovia SC-283 entre Chapecó e Arvoredo foi totalmente interditada. A manifestação foi dos indígenas das comunidades Toldo Chimbangue e Condá, de Chapecó.

No Mato Grosso do Sul, foram bloqueadas a MS-156, entre Dourados e Itaporã, e a BR-463, no município de Ponta Porã. E em Roraima, mulheres, jovens e crianças estão em vigília contra o marco temporal.

Murilo Pajolla | Brasil de Fato
Edição: Nicolau Soares


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Murilo Pajolla

LEIA tAMBÉM

g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani
MST-40 anos
Brasil possui 2ª maior concentração de terras do mundo, vergonha que MST combate há 40 anos
Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news