Pesquisar
Pesquisar

Protestos na Espanha acusam governo de amparar política migratória criminosa e racista

Um dos protestos mais expressivos foi o da capital, onde migrantes portavam cartazes que rezavam: “Não são mortes, são assassinatos”
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Milhares de pessoas se concentraram nos últimos dias em mais de 60 cidades da Espanha para exigir que se ponha fim à “matança de negros” na fronteira de Ceuta e Melilla, onde na madrugada do passado 24 de junho foi registrada a pior tragédia de história recente com uma cifra de falecidos entre 23 e 45 migrantes subsaarianos.

Os manifestantes acusaram o governo do presidente espanhol, Pedro Sánchez, de amparar uma política migratória criminosa e racista.

“As vidas negras importam” e “Deixem de matar negros” eram algumas das consignas dos manifestantes, que acudiram à convocatória feita por 37 ONGs, a maioria vinculadas à defesa dos direitos dos migrantes e que trabalham na zona fronteiriça. 

Exigiram que seja esclarecida a tragédia, pois oito dias depois do salto em massa no qual centenas de migrantes africanos tentaram cruzar a vala fronteiriça de Melilla, o regime marroquino se nega a fazer autópsias dos cadáveres das pessoas mortas na repressão, o que permitiria abrir uma investigação judicial.

Um dos protestos mais expressivos foi o da capital, onde migrantes portavam cartazes que rezavam: “Não são mortes, são assassinatos”

Twitter | Reprodução
Manifestantes acusaram o governo Pedro Sánchez, de amparar uma política migratória criminosa e racista

Rabat afirma que morreram 23 migrantes, mas as ONGs contabilizaram até 45

“Pedimos uma investigação pontual e independente dos fatos (…) que se reconheça que o que aconteceu em Melilla não é um caso isolado, mas que responde a um sistema racista no qual se beneficiam os países do norte”, afirmou a porta-voz da Plataforma Regularização Já, Ximena Zambrano. 

Um dos protestos mais expressivos foi o da capital, onde migrantes portavam cartazes que rezavam: “Não são mortes, são assassinatos”, Governo progressista também é racista” e “Nenhum ser humano é ilegal”, entre outros. 

Episódio em Melilla caracteriza “limpeza étnica” de subsaarianos, com apoio da Espanha

Em um comunicado, afirmaram: Somos migrantes, valentes, que trabalham, que cotizam. Basta já de racismo. Nossa reivindicação é recordar à população espanhola, como a toda comunidade europeia que racismo mata, e mata incontáveis vezes”. 

Assinalaram a “dupla moral” do governo espanhol, que se autoproclama “progressista” e ampara, quando não defende, a repressão excessiva dos agentes policiais marroquinos. “O governo espanhol não vai recapacitar, não esperamos absolutamente nada por parte do Estado. A mão executiva foi o Marrocos, mas o cérebro foi a Espanha”, agregaram. 

Criticaram duramente Sánchez, que assegurou que a crise tinha sido “bem resolvida” e elogiou a intervenção das polícias da Espanha e do Marrocos. Uma das vozes mais críticas foi o líder da Esquerra Republicana de Catalunya, Oriol Junqueras, sócio parlamentar do governo espanhol que acusou Sánchez de agir “como faria a direita mais extrema, o que evidencia que não há uma alternativa progressista real na Espanha.

Anteontem, o ministro de Inclusão, Segurança Social e Migrações, José Luis Escrivá, pediu “sensibilidade” para os trabalhadores fronteiriços, assim como entender a situação do Marrocos na gestão da chegada de migrantes. 

O responsável assegurou que os 133 migrantes que lograram cruzar a territorio espanhol em 24 de junho estão sendo atendidos no Centro de Estancia Temporal de Inmigrantes de Melilla, e se está “buscando que sua situacão seja a melhor posivél”.

Armando Tejeda é correspondente do La Jornada em Madri.
Tradução Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel