Pesquisar
Pesquisar

Província argentina declara emergência após 6 crianças indígenas morrerem de fome

Pelo menos outros 20 menores estão internados, dez dos quais com um quadro clínico grave e os outros com perspectiva de recuperação
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O problema arrasta-se há anos e reflete a situação de pobreza extrema que atinge as comunidades indígenas na província, nomeadamente nos departamentos de Orán, Ribadavía e San Martín, perto da fronteira com a Bolívia e o Paraguai. Ali foi agora decretado o estado de emergência, que implica o reforço dos programas sociais e de cuidados médicos por um período de 180 dias.

Ao longo deste mês, em pleno Verão austral, seis crianças com idades entre seis meses e três anos, pertencentes à comunidade indígena Wichi, morreram, com sintomas de deficiências alimentares crônicas, vômitos e diarreias, refere a RT, acrescentando que estão internados pelo menos outros 20 menores, dez dos quais com um quadro clínico grave e os outros com perspectiva de recuperação.

Pela parte do governo central argentino, Daniel Arroyo, ministro do Desenvolvimento Social, anunciou esta semana que vai apoiar o executivo de Salta com a entrega de alimentos, água potável e reforço dos serviços de saúde.

Pelo menos outros 20 menores estão internados, dez dos quais com um quadro clínico grave e os outros com perspectiva de recuperação

Resumen Latinoamericano
De acordo com dados oficiais, a pobreza na província de Salta atinge 40% da população, sobretudo indígena;

Região empobrecida e contaminada por agrotóxicos

Em declarações recolhidas pelo portal Movimiento Político de Resistencia, David Torres, representante do povo Lule, sublinhou que a região está terrivelmente empobrecida: há falta de trabalho, dificuldade de acesso à saúde, à educação, aos alimentos e à água potável, além de que as comunidades indígenas são discriminadas e alvo de racismo.

Deu como exemplo destas dificuldades o fato de uma das duas ambulâncias ao serviço do hospital de Tartagal estar fora de serviço por problemas técnicos, e lembrou que, apesar de na província de Salta existir o único Ministério de Assuntos Indígenas do país, a maior parte dos médicos do Estado se foi embora, até por causa da política recente de austeridade.

Torres disse ainda que a população rural, de baixos recursos – na sua maioria indígena –, acaba por consumir água contaminada por agrotóxicos, que são usados no agronegócio (sobretudo agropecuária) que invadiu a região.

As mortes por destrunição existem há muito

Na peça El lento genocidio wichí: catástrofe humanitaria, publicado no portal Resumen Latinoamericano, sublinha-se precisamente a dimensão da catástrofe de povos que vêem, há anos, a fronteira do agronegócio avançar sobre o seu modo de vida – sustentável – e trazer a fome, a sede e a contaminação.

Contundente, o médico Rodolfo Franco afirma que estão a matar os indígenas «à fome, com má educação, com má saúde» e sublinha que, sendo necessário um médico para cada 600 pessoas, ele presta cuidados a duas localidades, uma com 4000 e outra com 2000 habitantes.

Os números que agora chocam, em 2020, seguem-se a outros registados em 2011, 2016, 2017, em que crianças morreram desnutridas e doentes ou já nasceram mortas, porque as suas mães tinham demasiada fome e sede, cercadas pelo abandono e a incúria, refere a reportagem.

Veja também



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza