Pesquisar
Pesquisar

Putin: Em nenhuma circunstância a Rússia será a primeira a usar armas nucleares

Segundo o líder russo, ainda que país possua o arsenal mais avançado do mundo, artefatos são fator de contenção, e não de intimidação
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Ao se reunir nesta quarta-feira (7) com os membros do conselho de direitos humanos adjunto ao Kremlin, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que “não temos nenhuma intenção de correr por todo o mundo empunhando armas nucleares como se fossem uma navalha”.

Desta forma, respondeu à preocupação de Svetlana Makovetskaya, que manifestou a sua preocupação pelo risco de conflito nuclear estar se tornando mais real e pediu ao Presidente que confirme que a Rússia em caso algum utilizará este tipo de armamento.

“Risco de guerra nuclear… você está certo”, respondeu Putin, “esse risco existe, o que podemos fazer a respeito.”

E seguiu: “quanto à Rússia, em nenhuma circunstância será a primeira a usar armas nucleares. Bem, se em nenhuma circunstância ela será a primeira a usá-las, também não será o segundo porque, caso sejamos atacados, nossas chances de resposta serão muito limitadas.”

O titular do Kremlin explicou que toda a estratégia da Rússia se baseia no conceito de golpe-resposta e advertiu: “Vamos defender nossos aliados com todos os recursos ao nosso alcance, e não perdemos o juízo: sabemos perfeitamente o que é o armamento nuclear”. 

Concluiu sublinhando que a Rússia conta com esses recursos, “mais avançados que qualquer outro país”, mas que não tem a intenção de ameaçar ninguém. “Claro, estamos muito cientes de que temos isso (todo um arsenal nuclear). Não é um fator de intimidação, é de contenção.”

Segundo o líder russo, ainda que país possua o arsenal mais avançado do mundo, artefatos são fator de contenção, e não de intimidação

Kremlin
Putin tranquilizou preocupações acerca da possibilidade de novas convocações para combate na Ucrânia: "Não há necessidade"

Putin reconheceu que a guerra na Ucrânia, que já dura quase dez meses, não vai terminar logo. “A operação militar especial pode ser um processo longo, mas a operação de novos territórios é significativa para a Rússia. O mar de Azov já é um mar interior”, deu como exemplo. 

O presidente russo aproveitou a ocasião para tranquilizar aqueles que estão preocupados por uma eventual nova mobilização para a guerra na Ucrânia. 

“Não há nenhuma necessidade (neste momento). Temos 300 mil recrutas, 150 mil dos quais se encontram à disposição do exército na operação militar especial. Ou seja, só a metade participa diretamente nela. E destes, só 77 mil estão na zona de combate e o resto cumpre funções na retaguarda. Há ainda outros 150 mil que estão recebendo preparação em polígonos e formam parte da chamada reserva”, explicou e afirmou categórico: 

“Nestas condições, não faz sentido falar em uma nova convocação de civis. Não há necessidade.”

O governante russo justificou também o fechamento dos escritórios de numerosas organizações não governamentais de direitos humanos como Human Rights Watch e Anistia Internacional, que – em sua opinião – “são instrumentos para influir nos trabalhos políticos internos da Rússia”, bem como o Centro Memorial, uma ONG russa que este ano ganhou o Prêmio Nobel da Paz.


Depósito de petróleo

Um depósito de petróleo queimou nesta terça-feira (6) no aeroporto da cidade russa de Kursk, depois de ser atacado por um drone, ao mesmo tempo que durante a madrugada outros dois drones atingiram um tanque de combustível da fábrica Slava na região de Briansk, também limítrofe com a Ucrânia. 

Se for confirmada a autoria – e o governo de Kiev não confirma nem desmente sua possível participação em fatos dessa natureza – seria o quarto ataque com drones em território russo nesta semana, depois do ocorrido na segunda-feira anterior longe da fronteira com a Ucrânia nos aeródromos militares de Ryazan e Engels, que abrigam aviões estratégicos capazes de portar projéteis nucleares. 

Assista na TV Diálogos do Sul

“Como resultado de um ataque com drone, produziu-se um incêndio em um depósito de petróleo. Não há vítimas. O fogo está sendo controlado”, informou o governador de Kursk, Roman Starovoit, sem fornecer nenhum detalhe adicional, em sua conta no Twitter. 

Perto das 11h desta terça-feira, o fogo abrangia uma extensão de aproximadamente 500 m², disse à agência Interfax um porta-voz do serviço de bombeiros. 

O aeroporto de Kursk, que desde o início da guerra serve só à aviação militar, encontra-se a 100 km de distância do ponto mais perto da Ucrânia e havia sido atacado em outra ocasião, no passado 6 de agosto, embora as autoridades não tenham dado nenhum pormenor do ocorrido.

No ataque à fábrica de Briansk – que em 30 de novembro já havia sido alvo do que a imprensa russa chamou de uma “ação de sabotagem que afetou três tanques de combustíveis” – mal houve prejuízos, já que o depósito estava vazio nesse momento, segundo o canal Baza no Telegram.

Em outubro passado, o presidente Vladimir Putin decretou “o nível médio de reação” nas regiões fronteiriças à Ucrânia (Briansk, Belgorod, Krasnodar, Kursk, Voronezh e Rostov, sem contar a península da Criméia), mas os ataques em território russo não só não cessaram, como também estão cada vez mais frequentes. 

À raiz dos ataques mais recentes, Putin celebrou nesta terça-feira, por videoconferência, uma reunião do conselho de segurança da Rússia e ordenou tomar medidas adicionais de proteção da infraestrutura petroleira e das instalações militares no sul do país. 

O Kremlin, através de seu porta-voz, Dimitri Peskov, atribuiu à Ucrânia os ataques desta semana: “O regime ucraniano vai continuar com estas ações terroristas”, diz abertamente: “É claro que são um fator de perigo e nos faz tomar as medidas pertinentes”, acrescentou.

Enquanto isso, assim como Putin apareceu de surpresa na segunda-feira na ponte da Criméia, seu homólogo ucraniano, Volodymir Zelensky, o fez nesta terça-feira na cidade de Slaviansk, bastião das tropas de Kiev em Donetsk, declarada por Moscou como parte da Federação Russa. 

Em sua breve visita à linha de frente, por ocasião do Dia do Exército, Zelensky se dirigiu aos militares dizendo: “Celebro esta data com nossos combatentes em Donbass. A zona de combate é estendida, a luta é mais difícil, o preço é mais alto. Tenho certeza de que poderemos comemorar este dia em Donetsk, Lugansk e também na Crimeia.”

A Rússia e a Ucrânia efetuaram, nesta terça-feira, a enésima troca de prisioneiros sob a fórmula de 60 por 60, confirmaram ambas as partes. 

Juan Pablo Duch | Correspondente do La Jornada em Moscou.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação