Pesquisar
Pesquisar

Quase 10 milhões de crianças podem abandonar a escola por causa da Covid-19

Uma ONG estima que, no final deste ano, 9,7 milhões de crianças podem ver-se obrigados a abandonar a escola para sempre em função do aumento da pobreza
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
São Paulo (SP)

Tradução:

O alerta foi dado esta segunda-feira (13) num relatório divulgado pela organização não governamental (ONG) britânica Save the Children. O documento destaca que em 12 países, sobretudo da África Ocidental e Central, e também no Iémen e no Afeganistão, as crianças correm um risco extremamente alto de abandonar a escola; noutros 28 países esse risco é alto ou moderado.

O informe refere ainda que, no âmbito das medidas tomadas pelos governos para evitar a propagação do vírus, o encerramento das escolas foi um elemento central. No pico das quarentenas e confinamentos, a nível mundial 1600 milhões de crianças e jovens não puderam ir à escola – aproximadamente 90% de toda a população estudantil no mundo.

A ONG britânica alerta para o risco de que toda uma geração possa ficar sem escola devido à pandemia, sublinhando que o encerramento dos estabelecimentos de ensino “representa muito mais que a perda da educação”, pois deixa as crianças “sem espaços seguros onde brincar, comer e oferecer a serviços de saúde, onde se detectam eventuais abusos [cometidos] em casa e se dá proteção às vítimas”.

Uma ONG estima que, no final deste ano, 9,7 milhões de crianças podem ver-se obrigados a abandonar a escola para sempre em função do aumento da pobreza

Reprodução: publicdomainpictures
No pico das quarentenas e confinamentos, a nível mundial 1600 milhões de crianças e jovens não puderam ir à escola

Em declarações ao portal RFI, o diretor de Programas Internacionais da ONG, David del Campo, afirma estes 9,7 milhões de crianças “não vão ficar fora da escola de forma temporária, mas, sim, para sempre”.

“O processo começa quando as crianças deixam de ir à escola porque ali a sua saúde está em risco. A seguir, os professores não conseguem receber salários por causa da crise econômica. As escolas fecham, não há professores. Os jovens não só deixam de ir à escola umas semanas; na realidade, para alguns a Covid marca o fim do seu processo de escolarização”, explica Del Campo.

Emergência educativa mundial sem precedentes

Inger Ashing, directora da Save the Children, qualificou a situação como uma “emergência educativa mundial sem precedentes», tendo sublinhado que «as crianças mais pobres e marginalizadas, que já estavam mais atrasadas, são quem sofreu a maior perda”, indica a Xinhua.

Também se mostrou preocupada com o facto de a crise orçamental – que irá aprofundar o déficit no setor da Educação – “gerar ainda maior desigualdade entre ricos e pobres, e entre rapazes e raparigas”.

O abandono escolar irá empurrar muitas crianças para o trabalho infantil e a exploração, alerta a ONG. No caso das meninas e raparigas adolescentes, existe ainda o risco acrescido da violência de gênero, do matrimônio infantil e da gravidez prematura. Riscos que diminuem de forma substancial com a frequência escolar.

Para dar resposta a esta emergência, a ONG britânica insta governos e doadores a aumentar os fundos para o setor, colocando à disposição do Banco Mundial 35 mil milhões de euros.

Pede ainda aos países credores que suspendam o pagamento das dívidas dos países com baixos rendimentos, medida paliativa que poderia libertar 14 mil milhões de dólares para o investimento na Educação.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani
MST-40 anos
Brasil possui 2ª maior concentração de terras do mundo, vergonha que MST combate há 40 anos
Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news