Pesquisar
Pesquisar

Quase 800 milhões de jovens e adultos no mundo não sabem ler nem escrever, diz Unesco

De acordo com a organização, a Covid-19 perturbou a educação, afetando 91% dos estudantes e 99% dos professores
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Paris

Tradução:

No dia Internacional da Alfabetização, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) advertiu hoje que 773 milhões de adultos e jovens carecem de competências básicas em leitura e escrita.

A propósito da jornada estabelecida em 1966, a entidade multilateral com sede nesta capital acolhe um foro virtual para abordar os desafios da alfabetização no cenário imposto pelo Covid-19 e, além disso, para propor respostas à crise e ao fato de que os programas para ensinar as pessoas a ler e escrever se detiveram em muitas partes.

De acordo com a organização, a Covid-19 perturbou a educação, afetando 91% dos estudantes e 99% dos professores

MEC
Pandemia de coronavírus agravou panorama de analfabetismo mundial.

“A leitura é a chave do desenvolvimento. Os programas de alfabetização de adultos não deveriam ser a variável de ajuste da educação” declarou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay.

Na conferência interativa participam especialistas e educadores, convocados com o objetivo de impulsionar ações concretas que potencializem os processos de ensino a seres humanos relegados. 

A pandemia causada pelo coronavírus SARS-Cov-2 e as necessárias medidas para freá-la, como os confinamentos generalizados, agravaram o panorama da educação, já que às quase 800 milhões de pessoas sem acesso à leitura e à escritura se somou o fechamento durante meses da imensa maioria das escolas do planeta.

De acordo com a Unesco, a Covid-19 perturbou a educação, afetando 91% dos estudantes e 99% dos professores.

A propósito da jornada, serão entregues os prêmios internacionais de alfabetização 2020 da Unesco e resultarão reconhecidas nesse sentido iniciativas de Gana, México, Nepal, Reino Unido e Iêmen.

Nesta ocasião, o reconhecimento em matéria de alfabetização Unesco-Rey Sejong, que recompensa projetos de educação e formação nas línguas maternas com o apoio da República da Coreia, será outorgado à Ageing Nepal e à United World Schools, do Reino Unido.

Por sua parte, os prêmios Unesco-Confúcio de Alfabetização, respaldados pela China para valorizar iniciativas em favor das populações rurais e de jovens não escolarizados, em particular meninas e mulheres, serão entregues ao Centro Universitário de Participação Social da Benemérita Universidade Autónoma de Puebla, México; à oficina de alfabetização de Sana, Iêmen; e ao programa ganês Just Commit Foundation.

Redação Prensa Latina

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação