Pesquisar
Pesquisar

Quem é Olaf Scholz, o possível sucessor de Angela Merkel como chanceler da Alemanha?

Scholz parece ser o sucessor de Ángela Merkel, tal como indicam os resultados que puseram o SPD na cabeça das eleições na Alemanha
Redação Página 12
Página 12
Buenos Aires

Tradução:

Scholz não é um desconhecido da oposição nem do governo conservador que está saindo. Foi vice-chanceler e ministro de Finanças de Merkel e, embora seja reconhecido como um dos mais moderados da força que representa, ele mesmo apresentou-se como o “próximo chanceler” logo que saíram os primeiros resultados das eleições.

“Muitos cidadãos querem que haja uma mudança no governo” e “também querem que o próximo chanceler se chame Olaf Scholz”, disse, falando de si mesmo na terceira pessoa.

Scholz soube aproveitar seu baixo perfil

O “sucessor de Merkel” tem 63 anos, está casado com uma militante do SPD (Partido Socialdemocrata) e soube utilizar seu baixo perfil na campanha depois de ser, durante anos, objeto de sarcasmos por seu perfil austero e seus discursos em tom de “autômato”, o que lhe valeu o apelido de “Scholzomat”.

Nascido em Osnabruck em 14 de junho de 1958, Scholz aderiu ao SPD aos 17 anos. Na época tinha cabelo comprido e simpatizava com as ideias mais à esquerda do partido.

Lei Europeia do clima: União Europeia firma acordo sobre neutralidade climática em 2050

Tornou-se advogado especialista em direito trabalhista e, em 1998 foi eleito deputado. Como secretário geral do SPD (2002-2004), teve que explicar todos os dias diante das câmeras o detalhe das impopulares reformas liberais do então chanceler Gerhard Schröder.

Depois de uma série de derrotas eleitorais, Scholz teve que ceder, em 2004, seu posto de secretário geral, antes de voltar em 2007 como ministro do Trabalho.

Scholz parece ser o sucessor de Ángela Merkel, tal como indicam os resultados que puseram o SPD na cabeça das eleições na Alemanha

facebook
Olaf Scholz

Marginalizado em seu próprio partido

Com Merkel, que o apoiou em 2017 quando enfrentou demandas para que renunciasse depois das violentas manifestações durante a cúpula do G20 em Hamburgo, mantinha uma relação de confiança.

Sua posição centrista levou-o à marginalização por um tempo em seu próprio partido. Não obstante, foi prefeito de Hamburgo e soube sobreviver à crise da socialdemocracia em toda a Europa.

De fato, apesar da derrota de 2019, o SPD, um dos partidos mais antigos da Europa, escolheu Scholz como seu candidato para setembro.

Alemanha, Rússia e China podem se unir para romper hegemonia econômica dos EUA

Aproveitou os erros da União Democrata Cristã (CDU) de Merkel e substituiu em 2018 como ministro de Finanças o democrata cristão ortodoxo, Wolfgang Schaüble.

“Não se dá o que não se tem”

“Não se dá o que não se tem” é seu lema e marcou a austeridade de suas administrações. Em 2019 propôs-se para liderar o SPD, mas os militantes escolheram dois quase desconhecidos, claramente mais à esquerda.

Scholz conseguiu recuperar terreno com a pandemia. Não hesitou em romper com a ortodoxia orçamentária e depois de uma década acumulando excedentes, a Alemanha contraiu milhares de milhões de euros em novas dívidas desde 2020, em detrimento de suas estritas regras constitucionais. “Tudo isso é caro, mas não fazer nada seria ainda mais caro”, argumentou.

Redação Página 12

Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Página 12

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar