Pesquisar
Pesquisar

Quem é Simone Tebet, senadora chamada de "descontrolada" na CPI do genocídio

Pregando o impeachment de Jair Bolsonaro, Tebet apoiou Temer e, em 2016, defendeu o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff
Plinio Teodoro
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Líder da bancada feminina no Senado e atacada pelo ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário nesta terça-feira (21), Simone Tebet (MDB-MS) vem ganhando os holofotes da CPI da Covid pela demonstração de conhecimento jurídico frente aos depoentes. 

Leia também:
Economia estagnada, privatizações e desemprego: 13 impactos do golpe de 2016

Atuando como auxiliar, já que não faz parte como membro, a senadora busca firmar sua pré-candidatura à Presidência na comissão usando a experiência que acumulou como professora de Direito e diretora técnica legislativa na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, que pavimentaram sua primeira eleição ao Congresso Nacional em 2002, quando assumiu mandato de deputada federal após ser a mulher mais votada para o cargo no estado, com 25.251 votos.

Vice-governadora de Mato Grosso do Sul entre os anos de 2011 e 2015, no governo de André Puccinelli (MDB), Simone Tebet assumiu mandato no Senado em 2015, onde se notabilizou por ser o braço direito do então vice-presidente, Michel Temer (MDB), durante o golpe parlamentar contra a presidenta Dilma Rousseff (PT).

Pregando o impeachment de Jair Bolsonaro, Tebet apoiou Temer e, em 2016, defendeu o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff

Montagem Diálogos do Sul
A senadora Simone Tebet que apoiou o impeachment de Dilma Rousseff em 2016 e hoje trabalha a favor do impedimento de Bolsonaro

Pregando o impeachment de Jair Bolsonaro (Sem partido), Tebet teve o mesmo papel ao lado de Temer, em 2016. 

Sobre o tema:
Dilma Rousseff| Deputados aprovaram catástrofe: privatização da Eletrobras é crime contra nação, economia e povo brasileiro

Em março daquele ano, após reunião com o vice-presidente em um hotel, Tebet encampou a tese do impeachment baseado na delação do então senador Delcídio do Amaral, que implicou Dilma em uma série de denúncias fantasiosas nunca comprovadas.

Em seu voto na sessão do Senado que definiu o impeachmet de Dilma, em agosto do mesmo ano, minimizou as chamadas pedaladas fiscais — que teriam sido o motivo jurídico para o impeachment — e disse que Dilma seria julgada “dentro sim do conjunto da obra”.

Relembre:


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Plinio Teodoro

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio