Pesquisar
Pesquisar

Quem são as mulheres afrodescendentes recém-eleitas no parlamento português

Todas são de origem guineense e foram eleitas pelos partidos Partido Livre, Bloco de Esquerda (BE) e Partido Socialista (PS)
Dércio Tsandzana
Global Voices
Lisboa

Tradução:

Beatriz Dias, Joacine Moreira, e Romualda Fernandes são três mulheres afrodescendentes eleitas para o parlamento português no dia 6 de outubro. Todas são de origem guineense e foram eleitas pelos partidos Partido Livre, Bloco de Esquerda (BE) e Partido Socialista (PS), sendo estes dois últimos integrantes daquilo que se chamou geringonça no Governo antes das presentes eleições. 

O Partido Socialista do atual Primeiro-Ministro António Costa venceu com folga as eleições legislativas, obtendo 37% dos votos, contra 27% do Partido Social-Democrata, principal sigla da oposição. Ainda assim, o partido deverá estabelecer novas alianças para constituir governo.

O Jornal Público deu um longo destaque sobre o percurso de Joacine Katar Moreira até chegar ao Parlamento:

“Quando era pequena, Joacine Katar Moreira era conhecida como “la chica ente” porque, diz a própria, era tudo o que acabava em “ente”: impertinente, insolente, inconsequente.

Joacine conta que gostava muito de ir à escola, mas, quando chegou a Portugal, foi colocada de novo no segundo ano porque era o que se fazia habitualmente às crianças de origem africana. Esta contrariedade motivou-a a esforçar-se nos estudos, o que não a impedia de passar “o tempo todo a questionar tudo”.

Acabou por entrar na universidade. Para pagar a licenciatura trabalhou em supermercados e em hotéis. Licenciou-se em História Moderna e Contemporânea, tirou um mestrado em Estudos do Desenvolvimento e doutorou-se em Estudos Africanos no ISCTE, onde é investigadora do Centro de Estudos Internacionais”.

A deputada tem usado o seu Twitter para divulgar as propostas que pretende levar ao parlamento, sendo entre outras o combate à violência doméstica e a defesa da saúde mental:

Todas são de origem guineense e foram eleitas pelos partidos Partido Livre, Bloco de Esquerda (BE) e Partido Socialista (PS)

Twitter / Reprodução
Beatriz Dias, Joacine Moreira, e Romualda Fernandes

O Jornal Sábado traçou o perfil das outras duas deputadas:

Romualda Fernandes nasceu na Guiné-Bissau há 65 anos e é jurista, especialista em Direito Internacional aplicado às Nacionalidades, Condição de Estrangeiros e Direito Humanitário. Foi assessora em vários departamentos governamentais e é militante do PS há mais de 20 anos. Foi a penúltima deputada eleita pelos socialistas pelo círculo eleitoral de Lisboa, ocupando o 19.º lugar da lista do PS. (…)

Beatriz Gomes Dias, de 48 anos, nasceu em Dacar, no Senegal, oriunda de uma família guineense. Formada em Biologia, foi professora do ensino secundário e é aluna do mestrado de Comunicação de Ciência na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Várias foram as pessoas que destacaram a eleição das três mulheres, entre elas Miguel de Barros, pesquisador e ativista da Guiné-Bissau:

Histórico! Eleitas pela primeira vez em #Portugal #mulheres #negras para o #parlamento, sendo 3 de uma assentada e todas originárias e/ou descendentes da #GuinéBissau: Beatriz Dias (Pedagoga/BE), Joacine Moreira (Historiadora/Livre) e Romualda Fernandes (Jurista/PS)! Fabuloso

No mesmo diapasão reagiu Sidney Cerqueira, natural e residente em Guiné-Bissau:

Três mulheres NEGRAS foram eleitas para o Parlamento Português. Sim, NEGRAS, e são todas do meu país, Guiné-Bissau. Tenho dito e volto a dizer, a pátria de Cabral está num ponto de viragem. Chegou aquele momento de virarmos a página e fecharmos definitivamente este ciclo vergonhoso de pós independência.

Estamos a um passo de nos libertarmos das garras dos traficantes, incompetentes, bandidos, corruptos e inimigos da nossa GRANDE NAÇÃO. Por isso, convém escolhermos bem o nosso caminho e a quem estendemos a mão… Viva nó DEPUTADAS!

ORGULHO PASSANTA NA MINHA PITO, MINDJERIS BALENTIS!!

Joacine Katar Moreira acabou se envolvendo em uma polêmica após a divulgação dos resultados. Ela aparecera a comemorar a vitória envolta de uma bandeira da Guiné-Bissau, o que motivou a divulgação de uma petição contra ela. Na mesma pode ler-se:

Não se percebe por que a recente eleita senhora deputada Joacine Katar Moreira, de forma direta, deixou que nos festejos da sua eleição fosse exibida a bandeira da Guiné-Bissau.

O Art. 12º [da Constituição da República Portuguesa] na primeira alínea refere que: ‘Todos os cidadãos gozam dos direitos e estão sujeitos aos deveres consignados na Constituição’. Ora, o comportamento da suposta cidadã, Joacine Katar Moreira, fica novamente em causa por se verificar um comportamento antipatriótico com o ato descrito anteriormente

Joacine Katar Moreira reagiu no Twitter:

* Dércio Tsandzana 

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Dércio Tsandzana

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação