Pesquisar
Pesquisar

Racismo: Negros e latinos enfrentam maiores taxas de infecção por coronavírus nos EUA

Em tempos de quarentena, a maioria dos negros não pode se dar o “luxo” de trabalhar em casa. Isso os coloca em alto risco de contrair a doença
Redação Esquerda Diário
Esquerda Diário
Lisboa

Tradução:

O coronavírus está infectando e matando negros e latinos de maneira assustadora nos EUA, segundo dados de vários Estados e cidades. A causa principal é a desigualdade no acesso à saúde e a cuidados médicos. Em Chicago, onde os negros são mais da metade dos que testaram positivo e 72% das mortes pelo coronavírus, representam menos de um terço da população.

“Esses números assustam”, disse a prefeita de Chicago Lori Lightfoot, que é a primeira negra a ocupar o cargo. Em Illinois, 43% das mortes e 28% dos contaminados são negros – grupo que representa apenas 15% da população. Uma desproporção semelhante se repete nos Estados de Michigan, Louisiana, Carolina do Norte e Carolina do Sul.

Para especialistas, as razões são as desigualdades estruturais crônicas próprias do capitalismo decadente estadunidense. Em tempos de quarentena, a maioria dos negros não pode se dar o “luxo” de trabalhar em casa. Isso os coloca em alto risco de contrair a doença para manter o lucro dos capitalistas gananciosos.

Em tempos de quarentena, a maioria dos negros não pode se dar o “luxo” de trabalhar em casa. Isso os coloca em alto risco de contrair a doença

Esquerda Diário
A estrutura social dos EUA, marcada pelo racismo fundante no DNA da burguesia, cria as condições para barbárie

Desigualdades também deixam os negros com menos condições de terem seguro-saúde e mais propensos a terem doenças preexistentes. Além disso, há indícios de que os médicos encaminhem para testes poucos negros com sintomas da covid-19.

Em Nova York, a maioria dos mortos pelo coronavírus são latinos, segundo dados divulgados ontem pelo prefeito Bill de Blasio. Um relatório preliminar aponta que 34% dos 3,6 mil mortes por covid-19 são hispânicos, que constituem 29% da população da maior cidade americana, de 8,6 milhões de habitantes.

“É uma disparidade flagrante”, disse o prefeito democrata. De Blasio citou o idioma como um dos principais motivos para a maior letalidade entre os latinos, uma piada pronta! Os latinos são sistematicamente marginalizados e ocupam os postos mais precários de trabalho além de serem marginalizados nas periferias sem acesso a serviços básicos que são privados.

A estrutura social dos EUA, marcada pelo racismo fundante no DNA da burguesia, cria as condições para barbárie, é urgente um plano de emergência para conter os índices de contágio e morte da população. Um sistema de saúde único e estatal, controlado pelos trabalhadores e testes massivos para a população, não é possível que os conglomerados e monopólios da saúde privada sigam lucrando com a morte de milhares!

Redação Esquerda Diário


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda Diário

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda