Pesquisar
Pesquisar

Racismo nos EUA: Vacinação de negros contra Covid apresenta atraso de meses em relação à campanha nacional

Os níveis de imunização dos negros ainda estão atrás dos brancos em quase todos os estados
Redação Prensa Latina
Diálogos do Sul
Washington

Tradução:

A vacinação dos afros norte-americanos contra a Covid-19 nos Estados Unidos mostra atrasos de meses em relação à campanha nacional: apenas 22% recebeu a vacina, relatou hoje a cadeia CNN.

Os níveis de imunização dos negros ainda estão atrás dos brancos em quase todos os estados, de acordo com as estatísticas proporcionadas pelos Centros de Controle e Prevenção de Enfermidades (CDC).

Por sua vez, os hispânicos fecharam a brecha que tinham até agora e as comunidades indígenas mostram as porcentagens mais altas de imunização, acrescenta o canal de televisão.

Os CDC fornecem uma visão nacional generalizada das pessoas vacinadas em cada estado; no entanto, quase a metade desses registros carecem de informações sobre a raça ou a origem étnica.

Entretanto, os hispânicos em oito estados, no Distrito de Colúmbia e em Porto Rico têm agora uma taxa mais alta de imunização do que os brancos não hispânicos, mas 29% destes últimos estão vacinados em nível nacional, em comparação com 33% dos brancos.

Os níveis de imunização dos negros ainda estão atrás dos brancos em quase todos os estados

Notícia Preta
Apenas 22% dos afro estadunidenses recebeu a vacina, relatou a cadeia CNN.

Embora 45% dos nativos americanos tenham recebido já pelo menos uma dose, existem grandes diferenças segundo o lugar onde vivem.

A análise mostra como melhoraram as disparidades de vacinas à medida que se abriu a disponibilidade e os funcionários da administração do presidente Joe Biden tentaram priorizar a distribuição equitativa, o que teve um êxito parcial.

De acordo com a CNN, as brechas persistem inclusive quando os grupos minoritários sofreram taxas de mortalidade muito mais altas devido à pandemia do que os brancos e correm risco de infecção na medida em que os estados se mobilizam para reabrir e levantar o uso obrigatório das máscaras.

Apesar destas diferenças persistentes, os CDC indicaram na semana passada que aqueles que estão completamente vacinados não precisam usar máscaras na maioria dos locais interiores e exteriores, quando apenas 38% dos estadunidenses já cumpriu o prazo de imunização.

“Cada dia em que não chegamos a uma pessoa ou comunidade é um dia em que ocorre um caso de Covid-19 evitável e uma morte também evitável nestas comunidades”, disse a doutora Kirsten Bibbins-Domingo, presidenta do Departamento de Epidemiologia e Bioestatística na Universidade da Califórnia, em São Francisco.

Desde que começou a pandemia há pouco mais de um ano, nos Estados Unidos foram registrados mais de 33 milhões 803 mil 170 casos e uma cifra superior a 601 mil 670 mortos, segundo dados do site Worldometers.

Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza