Pesquisar
Pesquisar

Raiz da imigração de mexicanos e centro-americanos para os EUA está nos golpes patrocinados por Washington

Governo dos Estados Unidos patrocinou intervenções em Guatemala, Nicarágua, Honduras, El Salvador, países de onde hoje caravanas de imigrantes rumam em direção ao país do Norte
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Kamala Harris visitou a fronteira em El Paso na semana passada, onde reiterou uma vez mais que o enfoque do governo Biden é atender as “causas de raiz”, ou os problemas de fundo, da migração da América Central e do México aos Estados Unidos, mas a amnésia oficial — por dizer assim diplomaticamente — aparentemente lhe oculta algumas das raízes do “problema”. Talvez porque não estejam lá, mas sim aqui no norte.  

Por exemplo, no último domingo (27) foi aniversário do golpe de Estado promovido e auspiciado pela CIA contra o governo democraticamente eleito de Jacobo Arbenz na Guatemala, em 1954.  Isso detonaria mais que quatro décadas de uma das guerras sujas mais sangrentas da América Latina — quase sempre apoiada por Washington.

Arbenz ganhou a eleição em 1951 e se atreveu a promover uma reforma agrária em um país onde 2% dos proprietários de terras concentrava mais de 70% da terra cultivável. Entre as terras que confiscou, estavam as da poderosa United Fruit Company.

Embora tenha oferecido compensação igual ao valor dessas terras, segundo os próprios contadores da empresa estadunidense, a United Fruit recusou, pedindo quase 15 vezes mais.

Quando Arbenz rechaçou essa demanda, o secretário de Estado John Foster Dulles e seu irmão, Allen Dulles, diretor da CIA — ambos ex-advogados da United Fruit, recorda Stephen Kinzer em seu livro “Os irmãos” — convenceram o presidente Eisenhower que Arbenz representava uma “ameaça”, e com isso foi autorizada a chamada “Operation Success” da CIA para derrocar Arbenz com um golpe Estado militar.

Governo dos Estados Unidos patrocinou intervenções em Guatemala, Nicarágua, Honduras, El Salvador, países de onde hoje caravanas de imigrantes rumam em direção ao país do Norte

El Diario Mx
Kamala Harris visitou a fronteira em El Paso

EUA financiou golpes

Washington financiou e supervisionou o treinamento das tropas golpistas na Nicarágua de Anastasio Somoza e o golpe foi respaldado por aviões da CIA.

Washington reconheceu o novo governo e outorgou assistência. O líder do golpe, o coronel Carlos Castillo Armas, respondeu de imediato anulando a reforma agrária, devolvendo as terras à United Fruit e com isso foi imposto “um terror governamental sem igual na história moderna da América Latina”, resume Juan González em seu livro “Colheita de Império”.

O golpe na Guatemala foi realizado com a justificativa da guerra fria, e então, como outra vez atualmente, a “ameaça” aos Estados Unidos e à democracia eram a União Soviética e a China — justamente a mesma coisa que se escuta agora (só substituindo o nome da URSS pelo da Rússia) para justificar a “nova” política exterior dos Estados Unidos mais de seis décadas depois. 

Guatemala seria a sede dos preparativos do seguinte atentado estadunidense para derrocar um governo que se atrevia a desafiar Washington: o novo governo revolucionário de Cuba, projeto que foi ordenado por Eisenhower em 1960 pelas mãos de Allen Dulles e seu subordinado Dick Bissell, que havia estado a cargo dos aviões do CIA no golpe contra a Guatemala.

De fato, os oficiais que Bissell juntou para a operação contra Cuba foram veteranos da chamada “campanha da Guatemala”. Começou-se a preparar uma invasão a Cuba com os estadunidenses treinando um exército de exilados cubanos na Guatemala.

Aviões da CIA transportaram essas tropas da Guatemala em 17 de abril de 1961 para iniciar rapidamente a invasão a Cuba por Playa Girón.

Semelhanças das causas

Os migrantes que hoje fogem da Guatemala, como de El Salvador e Honduras, entre outros países, têm algo em comum além da violência, a fome, a falta de emprego da qual fogem.

Em todos esses países, os Estados Unidos têm uma longa história de mais de um século de intervenção — e muito frequentemente cumplicidade com os terroristas, torturadores, corruptos e narcotraficantes nas suas cúpulas. 

“Nunca nos ensinam na escola que a enorme presença latina aqui [nos Estados Unidos] é um resultado direto das ações de nosso próprio governo no México, no Caribe e na América Central ao longo de muitas décadas — ações que forçaram milhões a emigrar dessa região e deixar suas casas e viajar para o norte”, comenta González.

PD: Abraço dolorido por nosso companheiro, mestre jornaleiro que nos desenhava o dia com ira nobre, riso afiado e solidariedade para ajudar-nos a derrotar mentiras, monstros e poderes ilegítimos. 

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição