Pesquisar
Pesquisar

Ranking que avalia produção científica classifica a USP como a 8ª melhor do mundo

Centro de Estudos da Universidade de Leiden tem como base de dados a plataforma Web of Science
Adriana Cruz
Jornal da USP
São Paulo (SP)

Tradução:

O ranking produzido pelo Centro de Estudos em Ciência e Tecnologia (CWTS, na sigla em inglês) da Universidade de Leiden, na Holanda, classificou a USP como a 8ª melhor universidade do mundo. A Universidade manteve a mesma posição alcançada em 2018.

A classificação, que ranqueou 963 universidades na edição deste ano, avalia a pesquisa acadêmica produzida pelas instituições e leva em consideração a produção científica publicada na base de dados multidisciplinar Web of Science, editada pela empresa Clarivate Analytics.

A USP é a única instituição latino-americana a figurar entre as 100 melhores do mundo. As demais universidades brasileiras mais bem avaliadas são a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), na 138ª posição; a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), na 183ª; e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na 192ª posição.

Neste ranking, além da classificação geral, foram analisados os indicadores das instituições no período de 2014 a 2017 em quatro vertentes: impacto científico, colaboração (interinstitucional, internacional e com a indústria), artigos publicados na modalidade de acesso aberto e diversidade de gênero (número de autorias masculinas e femininas).

Centro de Estudos da Universidade de Leiden tem como base de dados a plataforma Web of Science

CWTS Leiden Ranking
Mapa do CWTS Leiden Ranking, baseado em dados bibliográficos da base de dados Web of Science da Clarivate Analytics, Filadélfia, PA, EUA

Top do Mundo

O coordenador do Egida, Aluísio Segurado – Foto: IEA/USP  No quesito impacto científico, a USP ficou na 8ª posição, à frente de instituições como Stanford, Oxford e Cambridge. Um dos aspectos que mais chamam a atenção, segundo o coordenador do Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho Acadêmico (Egida) da Universidade, Aluísio Cotrim Segurado, é o número de artigos da USP classificados entre os 50% top do mundo, isto é, do total de 16.846 artigos publicados no período, 44% estão entre os 50% melhores do mundo em suas respectivas áreas do conhecimento. “Isso mostra que nossa produção científica tem grande representatividade entre os trabalhos de mais alta qualidade produzidos pelas universidades, o que nos dá grande visibilidade internacional”, afirma.

Em relação ao item colaboração, que avalia as parcerias interinstitucionais, internacionais e com a indústria para a produção de artigos, a USP aparece na 12ª colocação.

Essa também foi a classificação da Universidade na análise dos artigos publicados na modalidade de acesso aberto, que se refere à disponibilidade e à gratuidade de acesso por qualquer pessoa aos resultados de pesquisas científicas, sendo uma alternativa ao modelo tradicional de publicação que restringe o acesso ao conteúdo por meio de assinaturas pagas.

Outro aspecto avaliado foi o número de artigos publicados por gênero, dimensão na qual a USP ficou na terceira posição, atrás da Universidade de Harvard e da Universidade de Toronto. O indicador analisa o número de mulheres autoras de artigos da universidade e sua proporção em relação ao total de autores.

O reitor Vahan Agopyan – Foto: Cecília Bastos / Jornal da USP Na classificação do CWTS, além de a USP ocupar a oitava posição na produção global, ela se destaca também nos itens que indicam qualidade, como o 12º lugar na avaliação das parcerias, e tem 44% de seus artigos entre os 50% dos mais importantes do mundo. Isto significa que, além de produzir bastante, os artigos científicos dos docentes da USP têm qualidade destacada”, considera o reitor Vahan Agopyan.

Para o pró-reitor de Pesquisa, Sylvio Roberto Accioly Canuto, “o ranking tem um peso forte nas publicações científicas internacionais e seus impactos. Nós já vínhamos chamando a atenção para o fato de que, nestes itens, a USP está entre as 10 maiores instituições de pesquisa do mundo, e o CWTS confirma isso. É um resultado que deve nos orgulhar, sendo consequência natural da grande dedicação e excelência dos nossos pesquisadores”.

Avaliação das áreas

O ranking elaborado pelo CWTS também avalia o impacto científico, o nível de colaboração e o número de artigos publicados na modalidade de acesso aberto em cinco áreas do conhecimento: Ciências Biomédicas e da Saúde, Ciências da Terra e da Vida, Matemática e Ciências da Computação, Ciências Físicas e Engenharia e Ciências Sociais e Humanidades.

Confira, na tabela a seguir, as posições alcançadas pela USP em cada uma delas..

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Adriana Cruz

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio