Pesquisar
Pesquisar

Raúl Castro na ONU: Jamais renunciaremos…

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Estimados chefes de Estado e de Governo:
Distintos chefes de delegações:
Senhor Secretario Geral das Nações Unidas:

Senhor Presidente:

discurso-rac3bal-castro-en-la-onu“A instabilidade em numerosas regiões tem suas raízes na situação de subdesenvolvimento em que vivem dois terços da população mundial.

A Agenda de Desenvolvimento pós 2015 da ONU parece ser ambiciosa, porém o entusiasmo não deve nos cegar para a realidade.

Os avanços adotados 15 anos após os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, são insuficientes e distribuídos de forma desigual. Persistem, e inclusive se agravarem em muitos casos, níveis inaceitáveis de pobreza desigualdade social, inclusive nas próprias nações industrializadas. A fosso entre o Norte o Sul e a polarização do aumento da riqueza.

Constatamos que ainda estamos muito longe de contar com uma verdadeira parceria mundial para o desenvolvimento.

Nada menos do que 2 000 700 milhões de pessoas no mundo vivem na pobreza. A taxa de mortalidade infantil global entre as crianças menores de cinco anos, ainda é várias vezes maior que a dos países desenvolvidos. A mortalidade materna nas regiões em desenvolvimento é de 14 vezes maior do que naqueles.

Em meio à atual crise econômica e financeira, os ricos e as empresas multinacionais estão se tornando cada vez mais ricos e aumentam drasticamente os pobres, os desempregados e os sem-teto por causa das políticas cruéis chamadas de “austeridade”. Desesperadas ondas de imigrantes que chegam à Europa fugindo da pobreza e dos conflitos desencadeou outros.

Os meios para implementar a Agenda, sem compromissos mensuráveis ou calendários, não são proporcionais ao âmbito das suas 17 metas de desenvolvimento sustentável.

Se queremos um mundo habitável, paz e harmonia entre as nações, a democracia, a justiça social, a dignidade e o respeito pelos direitos humanos de todos, devemos tomar compromissos tangíveis imediatos para ajudar ao desenvolvimento e resolver o problema da dívida pagos já várias vezes. Você tem que construir uma outra arquitetura financeira internacional, eliminar monopólio e conhecimento tecnológico, e mudar a atual ordem econômica internacional.

Os países industrializados devem assumir a sua dívida histórica e exercer o princípio de “responsabilidades comuns mas diferenciadas”. Não podem se eximir usando o pretexto da falta de recursos quando investem 1,7 milhões de milhões de dólares por ano em gastos militares, cujo sem a redução não será possível o desenvolvimento e nem uma paz estável e duradoura.

Senhor Presidente:

O restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, a abertura das embaixadas e as mudanças na política em relação ao nosso país que o presidente Barack Obama declarou é um importante passo em frente, que tem atraído o mais amplo apoio da comunidade internacional.

No entanto, o embargo econômico, comercial e financeiro contra Cuba persiste por mais de meio século, causando danos e sofrimento ao povo cubano, é o principal obstáculo para o desenvolvimento econômico do nosso país, afeta outras nações por seu alcance extraterritorial e continua a prejudicar os interesses dos cidadãos e das empresas estadunidenses. Essa política é rejeitada por 188 Estados-membros das Nações Unidas que exigem seu termino imediato.

No entanto, Cuba cumpriu os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU e ofereceu a sua cooperação a outros países em desenvolvimento em vários setores, que continuam a fazer, tanto quanto nossas modestas possibilidades.

Nós nunca desistiremos da dignidade, da solidariedade humana e da justiça social, que são profundas convicções de nossa sociedade socialista.

Muito obrigado.”

  • Discurso de Raúl Castro Ruz na Reunião de Cúpula das Nações Unidas dedicada a aprovação da agenda para o desenvolvimento depois de 2015, Nova York, 26 de setembro de 2015.

As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia