Pesquisar
Pesquisar

Reabertura de fronteira: Venezuela e Colômbia dão fim à diplomacia hostil de Iván Duque

Segundo o presidente colombiano Gustavo Petro, retorno do acesso entre os países representa "o fim de um suicídio que não deve ser repetido"
Lucas Estanislau
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

A Venezuela e a Colômbia abriram, nesta segunda-feira (26), suas fronteiras após permanecerem fechadas por sete anos. O ato marcou mais um passo para a plena normalização de relações diplomáticas entre os países, rompidas em 2019.

A decisão, que já havia sido anunciada pelos presidentes venezuelano, Nicolás Maduro, e colombiano, Gustavo Petro, no dia 9 de setembro, permitirá que as passagens fronteiriças entre os territórios volte a funcionar para pedestres e veículos de carga.

Assista na TV Diálogos do Sul

Em ato realizado na Ponte Internacional Simón Bolívar, que une as cidades de San Antonio de Tachira e Villa de Rosario, carretas levando produtos venezuelanos e colombianoss atravessaram a fronteira simbolizando a retomada comercial entre os dois países.

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, compareceu ao ato e afirmou que a reabertura da fronteira entre os países representou “o fim de um suicídio que não deve ser repetido”.

“Haverá, sem dúvidas, obstáculos entre os dois governos, mas sempre em paz, sempre com argumentos, respeitando o outro, pois a autodeterminação dos povos é uma ordem da Constituição da Colômbia. O que acontece na política da Venezuela deve ser, primeiro que tudo, decisão do povo da Venezuela”, disse.

A postura de Petro confirma o fim da estratégia diplomática adotada pelo seu antecessor, o direitista Iván Duque, que apostou em ignorar o governo Maduro e apoiar a oposição venezuelana em tentativas de derrubar o presidente chavista.

Em 2019, por exemplo, o governo colombiano forneceu apoio material e logístico para uma tentativa de invasão ao território venezuelano com o pretexto de levar uma suposta “ajuda humanitária” ao país. A ação, orquestrada por Juan Guaidó com o aval da Casa Branca, levou Caracas a romper relações diplomáticas com Bogotá.

Segundo o presidente colombiano Gustavo Petro, retorno do acesso entre os países representa "o fim de um suicídio que não deve ser repetido"

Cancillería Colombia
O presidente Nicolás Maduro não compareceu ao ato na fronteira, mas pelo Twitter classificou o dia como "histórico"

Petro, por sua vez, se mostrou otimista não só em relação à retomada de laços diplomáticos e políticos, mas também na reativação comercial, afirmando que o fluxo econômico entre os países poderá retornar aos níveis pré-crise.

“As duas economias devem necessariamente se integrar e [por isso] estamos falando de uma Zona [Econômica] Especial entre Táchira e Norte de Santander para que seja plataforma da industrialização e para que a qualidade de vida seja geral”, afirmou.

Simón Bolívar, união latino-americana e socialismo: a nova Colômbia de Gustavo Petro

Segundo projeções da Câmara de Integração Econômica Venezuelana-Colombiana (Cavecol), após o restabelecimento de relações e a reativação das fronteiras o intercâmbio comercial entre as duas nações – que leva em conta exportações e importações – pode chegar a US$ 1,2 bilhão (R$ 6,2 bilhões) até o final de 2022. O recorde foi atingido em 2008, quando o comércio entre Venezuela e Colômbia superou os US$ 7,2 bilhões (R$ 37,2 bilhões).

O presidente colombiano também mencionou os milhares de venezuelanos que migraram à Colômbia nos últimos anos e disse esperar que “a migração em massa que veio da Venezuela para cá, como anos antes foram de colombianos para lá, possa ter tranquilidade”.

“Quero que as pessoas que desejem viver na Colômbia tenham o respeito de todos seus direitos, não somente um documento, mas uma vivência real de plenos direitos”, afirmou. O mandatário ainda disse que já pediu ao Ministério da Educação para iniciar o processo de reconhecimento de diplomas universitários venezuelanos em território colombiano.

Representando Caracas estiveram o ministro dos Transportes, Ramón Velasquez, e o governador de Táchira, Freddy Bernal, além do embaixador venezuelano na Colômbia, Felix Plasencia. 

O presidente Nicolás Maduro não compareceu ao ato na fronteira. Pelo Twitter, o mandatário confirmou a reabertura “total e absoluta” entre os países e classificou o dia como “histórico”.

Lucas Estanislau | Brasil de Fato | São Paulo
Edição: Arturo Hartmann.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Lucas Estanislau

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado