Pesquisar
Pesquisar

Recordando a conquista da América e os erros na nomeação deste continente

Homenagem foi dada a Américo Vespúcio, atribuindo a ele, erroneamente, o descobrimento feito, na verdade, por Cristóvão Colombo
Jorge Rendón

Tradução:

(De minha novela El oro de Atahualpa, Lima, Grijley, 2012. Adenda)

A conquista espanhola encorpou os povos da América à historia dos reinos de Espanha, até que estes povos, transformados pela dominação, conseguiram sua independência no século 19.

O episódio do qual tem início essa inserção foi o descobrimento da América por Cristóvão Colombo, contemporâneo à reconquista de Granada e com a expulsão dos judeus dos reinos de Castilla e Aragón. Seus protagonistas, na cúpula, foram os reis católicos Isabel I de Castilla e Fernando II de Aragón.

(…)

Homenagem foi dada a Américo Vespúcio, atribuindo a ele, erroneamente, o descobrimento feito, na verdade, por Cristóvão Colombo

Wikipedia
Chegada de Cristóvão Colombo na América

O projeto de Cristóvão Colombo se inscreve nesse contexto.

Decepcionado pelo desinteresse dos reis católicos, e depois de ter rogado a uns e outros para que intercedessem por ele junto aos reis, Colombo está prestes a marchar para a França, em 1486, quando conheceu Luis de Santangel, um judeu convertido de Valência, empregado na corte de Fernando de Aragón. Foi este que, vislumbrando a importância do projeto, decidiu financiar por conta própria e entregou aos reis católicos um milhão e cento e quarenta mil maravedis, sem juros, para expedição e para ser pago com rendas castelhanas que ele mesmo se encarregaria de cobrar. Outros quinhentos mil maravedis foram aportados por Alonso de Quintanila, dos quais Gianotto Berardi contribuiu com cento e oitenta mil. Uma parte menor foi dada por Martín Alonso Pinzón.

Com o dinheiro nas mãos, os reis católicos subscreveram a Capitulação de Santa Fé, em 17 de abril de 1492, que estipula reserva de um quinto de quanta riqueza e bens conseguidos pela expedição de Colombo, a quem concedeu os títulos de almirante, vice-rei e governador geral dos territórios que descobrisse ou ganhasse durante a vida, assim como a décima parte dos benefícios obtidos, e um dízimo das mercadorias que encontrasse, ganhasse ou estivesse nos lugares conquistados. Este documento foi referendado por Luis de Santangel, secretário e homem de confiança do rei Fernando.

Em seguida, Colombo pode armar três caravelas e recrutar o pessoal necessário, para com isso navegar em direção ao Oeste, com a ideia fixa de chegar às Índias, dando volta à terra, que para muitos ainda era plana. Fixou como dia da partida do porto de Palos de la Frontera, sobre o oceano Atlântico, em 3 de agosto de 1492, mas ordenou à tripulação que embarcasse às 11 horas da noite anterior, posto que coincidia com o último dia que os judeus tinham para permanecer nos reinos de Castilla e Aragón. Levava vários judeus como tripulantes e/ou expedicionários. Ele mesmo jamais se descuidara em manter em segredo absoluto o fato de ser judeu oculto. Com a chegada da meia-noite, a soldadesca e o populacho, conduzidos por monges, saíram à caça de judeus.

Colombo avistou terra depois de setenta dias de navegação, depois de um começo de motim, promovidos por alguns tripulantes atemorizados pela prolongação da viagem, e tinham decidido atirar o comandante ao mar se antes de três dias não tocassem terra. Era 12 de outubro de 1492.

Apesar de ser Colombo o descobridor de um imenso continente, este não recebeu seu nome, e tampouco a coroa espanhola, principal beneficiária de sua façanha, prestou-lhe as homenagem que merecia. Ao contrário, em sua terceira viagem, o governador das Índias, nomeado deslealmente em seu lugar, Francisco de Bobadilha, devolveu ele à Espanha acorrentado, obedecendo ordens dos reis católicos.

Foi o cartógrafo italiano Américo Vespúcio, morador em Sevilha, quem constatou que Colombo tinha entregado ao mundo um novo continente, ao qual lhe deu o nome de sua obra, publicada em 1504, Mundus Novus, que foi traduzida para vários idiomas e teve muitas edições na Europa. No ano seguinte, o cartógrafo alemão Martin Waldseemuller insistiu nessa constatação do grande feito, em seu livro Cartay, de 1507, e denominou o continente de América, em homenagem a Américo Vespúcio, atribuindo a ele, erroneamente, o descobrimento. E assim ficaram as coisas para sempre.

*Colaborador de Diálogos do Sul, de Lima, Peru


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jorge Rendón Doutor em Direito pela Universidade Nacional Mayor de San Marcos e doutor em lei pela Université de Paris I (Sorbonne)

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)