Pesquisar
Pesquisar

Rede de solidariedade nos Estados Unidos reitera compromisso permanente com Cuba

De 18 a 20 de outubro, a coalizão realizou sua conferência anual no Institute for Policy Studies em Washington DC
Martha Andrés Román
Prensa Latina
Washington

Tradução:

A Rede Nacional de Solidariedade com Cuba nos Estados Unidos (NNOC) culminou seu encontro anual na capital norte-americana com o compromisso reiterado de defender a soberania e a autodeterminação do país caribenho. 

De 18 a 20 de outubro, a coalizão celebrou sua conferência anual no Instituto para Estudos de Política de Washington DC, onde aprovou uma declaração final que também ratificou a disposição do movimento de seguir criando consciência sobre o impacto da política estadunidense contra Cuba.

No encontro, amigos da ilha vindo de estados como Nova York, Massachusetts, Minnesota, Califórnia, Michigan, Maryland, Illinois,
Virgínia, Washington e Wisconsin revisaram as atividades de apoio a Cuba realizadas durante o último ano e planejaram ações para os próximos 12 meses.

Também discutiram formas de fazer ainda mais efetiva nos diferentes lugares do território norte-americano a difusão de informações sobre Cuba, pois em várias ocasiões mostraram que existe desconhecimento sobre a realidade da ilha dada a cobertura majoritariamente negativa que mantêm os grande meios de comunicação.

De 18 a 20 de outubro, a coalizão realizou sua conferência anual no Institute for Policy Studies em Washington DC

Prensa Latina
Rede Nacional de Solidariedade com Cuba nos Estados Unidos (NNOC)

A rede cresce e planeja novas ações

Nalda Vigezzi, co diretora da NNOC, considerou excelente a
Conferência anual dessa organização, na qual dialogaram, entre outros temas, sobre legislações introduzidas no Congresso sobre Cuba e a importância de instar os membros do Capitólio a apoiá-las. 

A esse respeito, remarcou que dedicaram uma parte do encontro à necessidade de defender o direito dos estadunidenses de viajar a Cuba, quando o atual executivo limita ainda mais essas visitas, com medidas como a eliminação das viagens educativas cidade a cidade. 

Como disseram vários participantes, muitos estadunidenses foram à ilha com essa licença e, ao proibi-la, inclusive quando ainda há outras a serem realizadas, existe um efeito de esfriamento, e as pessoas temem a ameaça de serem processadas, manifestou Vigezzi.

Lamentou que isso tem reduzido as vistas ao país caribenho e a possibilidade dos estadunidenses verem com seus próprios olhos, não apenas as conquistas da Revolução cubana, mas também as mentiras e a desinformação sobre a política norte-americana.

A co diretora assinalou que também falaram sobre o trabalho realizado no nível estatal e local para aprovar resoluções de condenação ao bloqueio imposto por Washington contra Cuba há quase 60 anos e a favor das relações bilaterais, as quais foram aprovadas até o momento em 12 cidades do país. 

Agregou que se referiram também ao apoio do movimento à Fundação Inter-religiosa para a Organização Comunitária-Pastores pela Paz e à Brigada Venceremos, entre outras iniciativas, e discutiram a realização de eventos com motivo da próxima votação contra o bloqueio que terá lugar no início de novembro na ONU. 

Alguns participantes também instaram às mais de 40 organizações que integram a NNOC a realizar ações em suas cidades para comemorar no próximo 17 de dezembro o quinto aniversário do regresso à ilha dos últimos três dos cinco heróis antiterroristas cubanos que estiveram encarcerados nos Estados Unidos.

Nessa mesma data, os então presidentes de Cuba, Raúl Castro, e dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciaram o início de um processo de normalização de relações bilaterais, que o atual mandatário, Donald Trump, decidiu reverter.

Além disso, dialogaram sobre a participação de vários integrantes da rede no Encontro Anti-imperialista de Solidariedade, pela Democracia e contra o Neoliberalismo a ser realizado no próximo mês em Havana, e acerca da realização de uma importante conferência sobre Cuba, em março de 2020 em Nova York. 

De 20 a 22 deste mês terá lugar na principal cidade do país a Segunda Conferência Nacional para a Normalização das Relações Estados Unidos-Cuba, um encontro que reunirá pessoas enfocadas, entre outros objetivos, a buscar o levantamento do cerco econômico, comercial e financeiro. 

Ike Nahem, membro da Coalizão Nova York-Nova Jersey Cuba Sim,
recordou que em 2017 ocorreu a primeira edição da conferência que reuniu  umas 200 pessoas, e disse a Prensa Latina que esperam ter uma participação ainda maior na próxima, a ser efetuada na Faculdade de Direito da Universidade da Cidade de Nova York. 

O ativista explicou que na reunião novaiorquina serão realizados vários painéis para abordar temas como os nexos bilaterais, as restrições de viagens à nação antilhana, o impacto das medidas adotadas pela administração Trump na economia da ilha e questões vinculadas com a América Latina, entre outros assuntos.

Um momento importante da conferência anual da NNOC foi a adesão à rede de cinco novas organizações: a Coalizão Nova York-Nova Jersey Cuba Sim, Pró-Liberdade, Mulheres em Luta, Socialistas Democráticos de América (DSA) e Comités de Correspondência para a Democracia e o Socialismo.

Ante a pergunta de por que a DAS, a maior organização socialista dos Estados Unidos, decidiu se somar ao trabalho da NNOC, um de seus membros, Tom Wojcik, referiu-se ao respeito que existe dentro desse coletivo à autodeterminação da nação antilhana. O jovem explicou que seus membros aprovaram somar-se a NNOC durante a convenção da DAS no verão passado, quando também votaram a favor de uma declaração que expressou a solidariedade com o povo cubano e a oposição categórica ao bloqueio. 

O agradecimento de Cuba

No início do evento da rede solidária em Washington DC, foi lida uma mensagem enviada à coalizão por Fernando González, presidente
do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), que agradeceu ao movimento por seu impulso a diferentes iniciativas em favor da ilha.

“Conhecemos as atividades que têm levado a cabo em todos os Estados Unidos para promover as conquistas sociais de Cuba e se opor as política agressivas da administração Trump”. 

As políticas hostis vão se chocar contra inúmeras expressões de amizade e respeito por nosso país, destacou o diretor do ICAP, que assegurou que as ameaças e a coerção não extraíram nem uma só concessão a Cuba. 

Também mostrou agradecimento o embaixador cubano em Washington DC,

José Ramón Cabañas, que em 18 de outubro na legação diplomática da ilha deu as boas-vindas aos participantes da conferência e interveio em um evento público realizado no dia seguinte sobre Cuba e Venezuela no Museu da Guerra Civil Afro-americana. 

Em ambos os momentos o diplomata recordou o trabalho fundamental do movimento solidário para conseguir o regresso a Cuba do menino Elián González e dos cinco heróis antiterroristas cubanos. 

Por sua parte, Miguel Fraga, primeiro secretário da Embaixada de Cuba, afirmou na última jornada do evento que, em muitos lugares da nação norte-americana tem encontrado verdadeiro apoio às relações bilaterais, inclusive de pessoas que só escutam coisas negativas sobre a ilha. 

“Isso se deve também ao trabalho que realizam vocês, nossos amigos verdadeiros, através dos anos”, disse aos membros da coalizão solidária. 

Remarcou que “lutaram nos momentos mais difíceis e nunca renunciaram, nós tampouco o faremos, seguiremos juntos por um futuro melhor”.

*Martha Andrés Román, Correspondente de Prensa Latina nos Estados Unidos.

**Tradução: Beatriz Cannabrava

***Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Martha Andrés Román

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação