Pesquisar
Pesquisar

Referendo no Uruguai: Entenda votação que decidiu por não alterar pacote de leis liberais

Por apenas 22 mil votos de diferença, maioria decidiu manter 135, dos 476 artigos, da Lei de Urgente Consideração aprovada por Lacalle Pou em 2020
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

Os uruguaios foram às urnas no domingo e 85% dos mais de 2,6 milhões de eleitores participaram no referendo convocado com as assinaturas da esquerda sindical e política do país. O objetivo era travar boa parte – 135 dos 476 artigos – da “Lei de Urgente Consideração”, aprovada no Parlamento em julho de 2020 através de um expediente que reduz o tempo de debate parlamentar e em tempo de pandemia.

Com a quase totalidade das mesas com contagem fechada, o “Não” [à revogação dos artigos] venceu à tangente com 49,9% dos votos válidos (51% quando somados os votos brancos), enquanto o “Sim” obteve 48.8%, uma diferença de cerca de 22 mil votos. O resultado confirma a divisão política no país, mas também a forte capacidade de mobilização da oposição de esquerda, após semanas em que as sondagens davam uma vitória confortável ao presidente, que procurou transformar o referendo num plebiscito ao seu mandato.

Por apenas 22 mil votos de diferença, maioria decidiu manter 135, dos 476 artigos, da Lei de Urgente Consideração aprovada por Lacalle Pou em 2020

Frente Amplio – Reprodução Twitter
Nas leis do trabalho, educação, saúde e economia, as alterações vão no sentido liberalizador que é a imagem de marca da atual maioria

Na prática, esta Lei de Consideração Urgente, com os seus 476 artigos, traduz num único documento boa parte do programa do governo de coligação liberal, e que vão deste a reforma do sistema de pensões, o aumento das penas de prisão para a criminalidade juvenil, a abertura a novas privatizações, restrições às manifestações e mais poderes para a polícia as dissolver pela força. Nas leis do trabalho, educação, saúde e economia, as alterações vão no sentido liberalizador que é a imagem de marca da atual maioria.

Uruguai: esquerda se fortalece, mas por 1% não derruba reforma liberal de Lacalle Pou

O referendo foi convocado pela esquerda, ao conseguir juntar 800 mil assinaturas para impugnar a lei nas urnas, um número recorde na história do país. E o resultado final da consulta confirma que o governo de Lacalle Pou não terá vida fácil até às próximas eleições, marcadas para 2024.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU