Pesquisar
Pesquisar

Reflexões necessárias sobre a terrível cristofobia no Brasil

Segundo o último relatório do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, as religiões que mais sofreram ataques foram as de origens africanas
Eduardo Nunes
Diálogos do Sul Global
Ponta Grossa (PR)

Tradução:

No último dia 18, a Igreja da Assunção, localizada em Santiago no Chile, foi incendiada por manifestantes que comemoravam o primeiro aniversário dos protestos no país. As imagens circularam rapidamente pela internet. E como esperado, gerou acalorados debates dentro e fora das fronteiras do nosso vizinho latino-americano.

Prontamente, os representantes da ala conservadora brasileira manifestaram-se em defesa da lei, da ordem e do sacro imóvel cristão. 

O principal tópico ressaltado não foi a motivação da revolta popular chilena, mas sim, a “cristofobia”. Embalado pelo discurso de Jair Messias Bolsonaro na última Assembleia Geral da ONU que citava o termo, os aliados do presidente usaram as imagens como prova da perseguição sofrida pelos cristãos.  

Segundo o último relatório do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, as religiões que mais sofreram ataques foram as de origens africanas

Palácio do Planalto
Jair Bolsonaro levanta uma Bíblica durante um culto de gratidão a Deus pela vida do presidente da República em Manaus.

Como é comum em um país onde a maioria esmagadora da população se denomina cristã, tenho vários entes queridos, amigos e amigas que podem sofrer com essa forma de preconceito. Com esta preocupação em mente, fui pesquisar sobre esta terrível perseguição aos seguidores de Cristo. E é isso que compartilho com vocês.

Segundo o último relatório do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), as religiões que mais sofreram ataques foram as de origens africanas. Apesar de ser minoria em território nacional, estas religiões sofreram a maior parte dos atos violentos registrados. Mas ataques que são contabilizados pelo Ministério não são as únicas formas de violência. E a violência política? E a representatividade? 

O site oficial da Câmara dos Deputados informa que na 56ª legislatura4, há 195 deputados e 8 senadores signatários da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional. Por sua vez, a Frente Parlamentar Mista Católica Apostólica Romana conta com 207 deputados signatários e 9 senadores. Dos atuais 10 ministros do Supremo Tribunal Federal, 7 declaram-se como católicos. Já o chefe do executivo, o presidente que possui Messias no nome, elegeu-se em 2018 com o slogan “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. 

Nesta rápida pesquisa, não consegui achar motivo algum que justificasse o termo “cristofobia”, mas não pude deixar de ficar comovido por esta injusta perseguição. Então, peço desculpas aos caros leitores e leitoras, mas preciso terminar estas linhas e fazer uma oração em apoio a esse povo tão sofrido.

Eduardo Nunes, acadêmico de História, na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Eduardo Nunes

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização