Pesquisar
Pesquisar

Regiões russas próximas à Ucrânia pedem socorro a Putin por bombardeios de Kiev

“Há que reparar ou compensar a perda de casas, apartamentos, devolver a eletricidade, o calor e o abastecimento de água", declarou presidente russo
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Resignadas por sua localização geográfica a sofrer os danos colaterais da “operação militar especial” – eufemismo de uma guerra que oficialmente nunca foi declarada até agora –, as regiões russas limítrofes com a Ucrânia pediram nesta quarta-feira (1º) ao titular do Kremlin, Vladimir Putin, que tome medidas para que, lançadas desde o lado ucraniano ou desviadas pelos sistemas de defesa antiaérea, deixem de cair bombas sobre suas casas. 

“Evidentemente, não há mais prioridade que evitar esses bombardeios, mas isso compete à dependência militar”, respondeu Putin, que é de se supor, em qualidade de comandante em chefe das forças armadas, ordenará reforçar a defesa antiaérea dessas regiões. 

Assista na TV Diálogos do Sul

O governador de Briansk, Oleksandr Bogomomaz, revelou que desde que começou a campanha militar na Ucrânia, em 24 de fevereiro do ano passado, 235 moradias foram danificadas por impactos de projéteis, enquanto Roman Starovoit, governador de Kursk, mencionou que 23 edifícios de apartamentos e 379 casas tiveram que ser desocupadas no mesmo período.

Ambos participaram nesta quarta-feira, junto com o governador de Belgorod, Viacheslav Gladkov, de um encontro por videoconferência com Putin, no qual o presidente da Rússia reconheceu que nas regiões fronteiriças “há casas e apartamentos danificados ou destruídos por bombardeios da formação neonazista”. 

Com Lula, Brasil pode integrar aliança entre Sul Global para solucionar Guerra na Ucrânia

Segundo o mandatário, “muitas pessoas estão em uma situação dramática: perderam suas residências, se viram obrigadas a se refugiar na casa de familiares ou em locais de residência temporária, sofreram cortes no fornecimento de água, calefação e eletricidade”.

A situação mais complicada se dá nestes momentos na região de Belgorod, onde 3.700 pessoas tiveram que ser evacuadas recentemente e as moradias danificadas alcançam uma superfície de 108 mil m², precisou o vice-primeiro ministro da Rússia, Marat Jusnullin, respondendo à pergunta de Putin.

“É um problema grave para muitos compatriotas”, refletiu o chefe de Estado russo, encomendando a Jusnullin: “Há que reparar ou compensar a perda de casas, apartamentos, outras propriedades, devolver a eletricidade, o calor e o abastecimento de água à operatividade normal”.

Enfocado pelas câmeras da televisão pública, Putin prometeu: “É necessário agir com rapidez e eficácia. Nenhuma trava burocrática deve demorar a solução destes problemas”.

“Há que reparar ou compensar a perda de casas, apartamentos, devolver a eletricidade, o calor e o abastecimento de água", declarou presidente russo

Kremlin
Putin: "Muitas pessoas estão em uma situação dramática: perderam suas residências, se viram obrigadas a se refugiar na casa de familiares"

Assédio da OTAN

Entretanto, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, tornou a insistir que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) utiliza toda a sua capacidade tecnológica para assediar a Rússia “24 horas por dia, sete dias por semana”. 

Segundo Peskov, “toda a infraestrutura militar da OTAN trabalha contra a Rússia. Todos os sistemas de inteligência da OTAN, incluídos os aviões de espionagem, a rede de satélites, operam 24 horas por dia, sete dias por semana em favor dos interesses da Ucrânia”. 

Lula legitima posição de neutralidade do Brasil ao negar envio de armas à Ucrânia

O porta-voz disse que “tudo isto cria condições hostis para nós, que não podemos passar por alto”. 

Também se referiu à possibilidade de que os Estados Unidos, em lugar dos caças-bombardeiros que a Ucrânia pede, lhe entreguem uma variedade modificada de bombas de aviação que, aderidas aos mísseis Himars, possam alcançar alvos até uma distância de 150 quilômetros. Não obstante, restou importância a esse risco: 

“Sim, esta é uma forma direta para incrementar a tensão, para subir o grau de escalada. Estamos conscientes, e isso requer esforços adicionais de nossa parte. Mas uma vez mais, isto não mudará o curso dos acontecimentos, a operação militar especial continuará”, sublinhou Peskov.

Juan Pablo Duch | Correspondente do La Jornada em Moscou.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda