Pesquisar
Pesquisar

Rei emérito da Espanha burla justiça para impedir que processo por delito fiscal avance

Juan Carlos de Borbón vive há mais de um ano nos Emirados Árabes, após abandonar a Espanha de forma semi clandestina ao serem abertas numerosas diligências judiciais
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O rei emérito da Espanha, Juan Carlos de Borbón, utilizou um artifício legal para impedir que avançasse o processo judicial contra ele por presumido delito fiscal.

O método foi muito simples: após receber três notificações da promotoria do Tribunal Supremo de que estava sendo analisada a procedência de sua fortuna, o ex-monarca fez caso omisso das notificações, com o que legalmente não se pode provar que foi informado do procedimento, para, de forma paralela, realizar uma regularização fiscal de mais de cinco milhões de euros. 

O rei emérito recebeu três notificações oficiais da justiça, informando-o da investigação aberta contra ele por presumidos delitos fiscais em junho, novembro e dezembro do ano passado.

Juan Carlos de Borbón vive há mais de um ano nos Emirados Árabes, após abandonar a Espanha de forma semi clandestina ao serem abertas numerosas diligências judiciais contra ele, a raiz de uma investigação de lavagem de capitais, falsidade documental, corrupção e delito fiscal pelos tribunais da Suíça. 

Juan Carlos de Borbón vive há mais de um ano nos Emirados Árabes, após abandonar a Espanha de forma semi clandestina ao serem abertas numerosas diligências judiciais

wikimedia commons
O rei emérito da Espanha, Juan Carlos de Borbón

Desde que abandonou a Espanha não realiza viagens nem faz aparições públicas. Um dos motivos poderia ser a informação que saiu à luz agora, na qual se confirma que a justiça espanhola decidiu aprofundar-se nessa trama e abrir uma série de diligências para conhecer a origem da fortuna pessoal de Juan Carlos de Borbón, que abdicou em junho de 2014.

De acordo com o protocolo jurídico, notificou-se da investigação o suspeito em três ocasiões e em nenhuma delas ele acusou o recebimento, por conselho de seus advogados, para poder regularizar sua situação fiscal, tal como fez em dezembro do ano passado e em fevereiro deste ano, por um montante superior aos cinco milhões de euros.

Esta manobra ou artifício judicial permitir-lhe-á a exoneração de um eventual delito fiscal, tal como estabelecido pelo próprio Código Penal espanhol, que adverte para o facto de a “regularização neutralizar a ação penal, desde que a dívida tenha sido integralmente reconhecida e pagamento da dívida fiscal antes de a administração fiscal lhe ter notificado o início de uma investigação ou verificação”.

Armando G. Tejeda, Correspondente de La Jornada em Madrid

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação