Pesquisar
Pesquisar

Reino Unido: contra alta abusiva, milhares de pessoas ameaçam não pagar conta de energia

"Precisamos atingir os fornecedores na carteira, para os forçar a renegociar os seus preços", explica Simon Howard, signatário do movimento
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O Don’t Pay UK é um movimento de cidadãos. Em junho, alguns amigos imprimiram 20 mil folhetos e distribuíram-nos numa manifestação. A sua ideia: se um milhão de pessoas se inscreverem até outubro, prometem suspender débito direto com seu fornecedor de energia, o que vai impedir os aumentos selvagens. Cerca de 130 mil pessoas já se inscreveram até o momento desta publicação.

“Precisamos atingir os fornecedores na carteira, para os forçar a renegociar os seus preços”, explica, ao diário francês Le Monde, Simon Howard, que foi um dos primeiros a inscrever-se no início de julho, quando a campanha se limitava a uma página do Facebook.

Insatisfação com Brexit e escândalos na Coroa: Colapso no Reino Unido vai além de Johnson

Desde então, a ideia tem vindo a crescer como uma bola de neve. Em Manchester, Patrick Foster, 24 anos, juntou-se ao movimento. “Este movimento pode tornar-se como o movimento poll tax”, diz ele, referindo-se ao imposto cuja criação provocou motins em 1990 e levou à queda de Margaret Thatcher.

“Já chega, temos de agir agora”, confirma Dan Stern. Quando montou a sua loja de peixe em Bristol, The Fish Shop, há uma década, pagou 8 pence por quilowatt hora. “Subiu para 12 pence, depois 14 pence há dois ou três anos, e acabou de subir para… 30 pence”. E está com sorte.

O fruticultor vizinho está renegociando seu contrato, e seu fornecedor está oferecendo 70 pence. “Uma grande parte da nossa economia depende das lojas. Se as pessoas não tiverem dinheiro por causa das suas contas, terão de cortar nas suas compras. Há um risco de colapso da economia”, diz Stern.

O governo conservador nada faz: Boris Johnson está de saída, e Liz Truss, a favorita para o suceder, parece não pretender fazer nada e deixar o mercado funcionar. As consequências da cegueira ideológica da inação são conhecidas: em 2021, havia 4,5 milhões de famílias em “pobreza energética” (que pagam mais de 10% do seu rendimento em contas de energia); em outubro, haverá 8,9 milhões; em janeiro de 2023, 15 milhões, de acordo com os cálculos do Grupo de Ação contra a Pobreza Infantil. Isto é, mais de um em cada dois lares no Reino Unido estará na pobreza.

Enquanto Ocidente se desintegra, Rússia e China advertem: “nem começamos”

Em outubro de 2021, o limite máximo do regulador nas contas de gás e eletricidade no Reino Unido era de 1277 libras (1527 euros) por ano. Em abril de 2022, tinha subido para 1971 libras, um salto de 54%. Até outubro, o seu nível futuro, que ainda não foi oficialmente anunciado, deverá atingir “cerca de 3500 libras”, segundo o governador do Banco de Inglaterra, Andrew Bailey. Isto representa uma quase triplicação das contas de energia num ano para os lares britânicos.

O choque energético é global, mas sem uma limitação aos aumentos de preços ou sistema equivalente, a população será duramente atingida. “As famílias enfrentam aumentos de preços não vistos durante uma geração”, observa, ao Le Monde, Jack Leslie, um economista da Fundação Resolution, um grupo de reflexão. Em junho, a inflação foi de 9,4% numa base anual, a mais elevada em quatro décadas.

"Precisamos atingir os fornecedores na carteira, para os forçar a renegociar os seus preços", explica Simon Howard, signatário do movimento

@dontpayuk – Twittter
Crise do custo de vida está a ser impulsionada por uma taxa de inflação dos preços de bens de consumo básicos não vista há décadas

Este quadro sombrio é muito agravado pela operação russa da Ucrânia no final de Fevereiro. “Desde maio – quando foi feita a previsão anterior do Banco de Inglaterra -, os preços do gás por grosso quase duplicaram devido a restrições no fornecimento da Rússia”, diz Bailey.

A situação difícil do Reino Unido está longe de ser única. Em junho, a inflação nos EUA era de 9,1% e 8,6% na zona euro, próximo do nível do Reino Unido. A Europa Central e a Alemanha estão muito mais expostas aos cortes de gás russo do que o Reino Unido, que obtém a maior parte do seu gás do Mar do Norte. Além disso, muitos economistas estão a prever uma recessão na zona do euro e nos EUA nos próximos meses.

No entanto, no Reino Unido a situação é mais grave na medida em que as pessoas mais pobres estão particularmente expostas aos custos da energia. Em 3 de agosto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) publicou um estudo que mede o impacto do choque energético nos lares 20% mais ricos e nos 20% mais fracos em toda a Europa. Em França, Finlândia e Suécia, o aumento do custo de vida é semelhante para ambos os grupos, cerca de 4%. No Reino Unido, é de 7% para os mais ricos e 16% para os mais pobres. Apenas a Estônia mostra um fosso tão grande.

Para Torsten Bell, director da Fundação Resolution, a explicação reside no cocktail tóxico de baixo crescimento e alta desigualdade ao longo dos últimos 15 anos. “As famílias mais pobres [20%] já tinham visto as suas despesas em bens essenciais aumentarem de 51% do seu rendimento em 2006 para quase 60% em 2019”. Para eles, o impacto da triplicação das contas de eletricidade e gás é desproporcional.


O Verão de todas as lutas

O empobrecimento da população tem levado à reação do movimento sindical. Neste Verão, assistiu-se a um impressionante recrudescimento da ação sindical no Reino Unido.

Em resposta a dois anos de congelamento salarial e à ameaça de cortes perigosos de postos de trabalho, os sindicatos ferroviários RMT (National Union of Rail, Maritime and Transport Workers) e ASLEF (Associated Society of Locomotive Engineers and Firemen) estão levando a cabo a primeira greve nacional dos caminhos-de-ferro desde 1989. Os trabalhadores do Grupo BT e da Royal Mail, organizados pelo CWU (Communications Workers Union), também ganharam mandatos dos seus trabalhadores para uma greve nacional. Nas universidades, a UCU (University and College Union) está levando a cabo uma ação nacional contínua contra as condições cada vez mais precárias e inseguras enfrentadas pelos seus membros no ensino superior.

Para jornalista, “efeitos da disputa entre Rússia e Otan ainda estão sendo testados”

Nas escolas, o NEU (National Education Union) e o NASUWT (National Association of Schoolmasters/Union of Women Teachers) preparam-se para resistir a mais uma ronda de cortes nos salários reais, que estão a empurrar os professores para fora do setor e a acumular cargas de trabalho incontroláveis sobre os que permanecem.

Estas ações ocorreram apesar das leis antisindicais, que legislam que uma maioria simples de trabalhadores a votarem por uma paralisação não é suficiente para tornar legal uma greve. Os sindicatos são obrigados a reunir uma participação de 50% de todos os trabalhadores nas votações.

O aumento maciço da mobilização sindical tem causas. Os trabalhadores estão fartos que lhe digam que a última crise significa que têm de enfrentar o fato de terem de empobrecer, ou de terem vivido para além das suas possibilidades, ao passo que este não é, manifestamente, o caso dos ricos. Doze anos de governo conservador resultaram na destruição sistemática dos serviços públicos e na destruição deliberada do nível de vida para todos, exceto para os muito ricos.

A crise do custo de vida está a ser impulsionada por uma taxa de inflação dos preços de bens de consumo básicos não vista há décadas, enquanto a inflação desenfreada dos preços das casas tem sido endêmica há já algum tempo. Ao contrário do que defendem os neoliberais, os preços não sobem porque os trabalhadores estão a receber aumentos salariais, mas sim porque o impacto da pandemia e da guerra na Ucrânia fizeram subir o custo da energia e de outros bens básicos, como a alimentação. A inflação está agora subindo mais que o dobro da taxa de crescimento salarial no Reino Unido; até ao final deste ano, o salário real dos trabalhadores deve cair 7,75%. Esta é a maior contração de salários dos últimos 200 anos.

Redação Abril Abril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação