Pesquisar
Pesquisar

Reino Unido limita refeição gratuita em escolas e jovens partilham comida para fugir da fome

De acordo com o Child Poverty Action Group, 3,9 milhões de crianças vivem em situação de pobreza no Reino Unido e 800 mil não têm acesso a refeição escolar
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Londres

Tradução:

No início deste mês, mais de 100 pessoas realizaram uma mobilização em Lewisham, com o intuito de gerar maior sensibilização para a questão da fome crescente nesta região do Sudeste de Londres.

Segundo o periódico Morning Star, tratou-se da primeira de várias “marchas da fome” que devem ter lugar este ano na Grande Londres, organizadas pela seção local da campanha Right to Food (Direito à Alimentação).

Assista na TV Diálogos do Sul

Casos de pobreza alimentar nas escolas londrinas têm vindo a público, no contexto da crise do custo de vida no Reino Unido, à medida que ativistas de base realizam protestos e exigem medidas para fazer frente ao problema.

Anne Williams, que organizou a mobilização em Lewisham, disse ao periódico britânico que o nível de necessidade que veem em todas as idades é “absolutamente tremendo”.

Fome atinge um em cada três brasileiros: dói ver pessoas pedindo comida, diz comerciante

“Há 43 bancos alimentares em Lewisham”, disse. “Porquê? Isso é em si mesmo revoltante, porque não devia haver bancos alimentares“, acrescentou Williams, que há dez anos trabalha nesta área.

“As nossas crianças devem ser alimentadas, é simples. Aprendem melhor, o seu bem-estar mental, tudo. É absolutamente incorreto que sejam privadas disso”, sublinhou.

A campanha exige refeições gratuitas para todas as crianças, que, atualmente, enfrentam uma espécie de “loteria dos códigos postais“, com apenas quatro distritos (boroughs) a darem ajuda a todos os alunos.

Sharon Noonen-Gunning, responsável pela London Right to Food, destacou as desigualdades no acesso à alimentação de emergência na capital do país.

“O conceito de alimentar todos aqueles que necessitam simplesmente não existe, varia de área para área, pelo que tem de ser equilibrado”, explicou, exigindo ao município londrino que organize o fornecimento de comida, incluindo refeições escolares grátis para os estudantes do primário e do secundário.

De acordo com o Child Poverty Action Group, 3,9 milhões de crianças vivem em situação de pobreza no Reino Unido e 800 mil não têm acesso a refeição escolar

Reprodução Twitter – Right To Food London

"O conceito de alimentar todos aqueles que necessitam simplesmente não existe”, diz Sharon Noonen-Gunning, responsável pela Right to Food




Estudantes com fome, cansados, sem rendimento

Phoebe Stott, estudante de 16 anos e residente na região de Lewisham, diz que muitas vezes partilha a sua comida com amigos que têm fome mas que não são elegíveis para refeições escolares gratuitas de acordo com os atuais critérios.

A estudante disse que vê o impacto devastador da pobreza alimentar na sua escola, onde alguns colegas se veem forçados a pedir dinheiro na cantina, para comprar snacks. Outros simplesmente não comem.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Vemos alguns mesmo cansados”, disse ao Morning Star, acrescentando que, por sentirem fadiga, não querem fazer nada nas aulas e que isso os prejudica bastante.

Phoebe, que tem direito a refeições gratuitas, critica os critérios de escolha, porque deixam crianças passarem fome.

Atualmente, no Reino Unido, todas as crianças entre os quatro e os sete anos têm direito a refeições escolares gratuitas, mas, depois disso, perdem o benefício todas aquelas cujas famílias tenham um rendimento superior a 7.400 libras por ano.

De acordo com o Child Poverty Action Group (Grupo de Acção contra a Pobreza Infantil), 3,9 milhões de crianças vivem em situação de pobreza no Reino Unido. Destas, 800 mil não têm direito a refeições escolares gratuitas, estima a organização.

“De repente, não podem comer porque a mãe não lhes deu comida porque não tinha dinheiro para pagar a renda, as faturas e depois a comida na escola”, disse Phoebe, preocupada com os colegas.

Para a estudante, as crianças “devem ter direito à alimentação”.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso