Pesquisar
Pesquisar

Relação de governos com seus povos na América Latina longe de ser democrática, se assemelha à síndrome de Estocolmo

No nível coletivo, poder-se-ia aplicar esta patologia a certas nações nas quais se produz uma situação de excessiva violência a partir do poder, contra uma população incapaz de reagir para defender seus direitos
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Utiliza-se o termo “síndrome de Estocolmo” para descrever uma experiência psicológica paradoxal na qual se desenvolve um vínculo afetivo entre os reféns e seus captores.

Apesar de existirem muitos estudos com respeito a suas características, os especialistas parecem coincidir no fato de qualificar a síndrome como uma resposta natural de sobrevivência diante uma situação na qual a vítima não só carece do controle sobre seu entorno, mas além disso, tenta se adaptar a ele.

No nível coletivo, poder-se-ia aplicar esta patologia a certas nações nas quais se produz uma situação de excessiva violência a partir do poder, contra uma população incapaz de reagir para defender seus direitos, a qual torna a outorgar o mando uma e outra vez àqueles que a submetem.

No nível coletivo, poder-se-ia aplicar esta patologia a certas nações nas quais se produz uma situação de excessiva violência a partir do poder, contra uma população incapaz de reagir para defender seus direitos

Reprodução: Winkimedia
Utiliza-se o termo “síndrome de Estocolmo” para descrever uma experiência psicológica de controle paradoxal

Talvez o laço afetivo seja algo que não se desenvolva no marco das relações povo-governo, mas sem dúvida se produz uma forma de aceitação passiva e resignada ao comportamento abusivo, discriminatório e destrutivo daqueles que possuem as rédeas do poder político-econômico e cujo desempenho na governança tem todas as características de um sequestro; apoderar-se dos mecanismos jurídicos para cometer toda classe de violações aos direitos da cidadania, tirando dela qualquer possibilidade de defendê-los mediante manobras espúrias e a aplicação de métodos repressivos e armadilhas legais.

As circunstâncias que tornam possível a tomada do poder político por parte de indivíduos corruptos e carentes de visão têm muito a ver com a manipulação dos recursos públicos com objetivos ilegais e ilegítimos; mas também com a infiltração de supostas doutrinas religiosas, cuja missão é impedir o empoderamento cidadão e que constituem um poderoso aliado.

Deste modo, consegue-se rebaixar de maneira sistemática as expectativas de desenvolvimento e sobrevivência de grandes setores da população, que por fim aceitam como algo natural outorgar, não só sua aprovação, mas também suas riquezas.

Como regalo adicional, alimentam o poder de seus captores com absoluta submissão. 

Em sociedade com estas características – onde predomina a atitude passiva e resignada diante do abuso sistemático – é duplamente complicada a consolidação de movimento coletivos organizados tendentes a desarticular os mecanismos opressores.

Por um lado, por um temor arraigado e instalado na consciência coletiva sobre os riscos implícitos a tudo aquilo que se assemelhe à rebeldia, e como consequência, à destruição do inimigo, mas também porque o sistema submete a população a um regime elementar de sobrevivência.

Portanto, ela agradece qualquer concessão às suas necessidades, mesmo que não cheguem sequer ao mínimo estabelecidos em leis e tratados. 

Na atualidade, com um cenário pavoroso de restrições e perdas humanas provocadas pela entrada de um vírus mutante – cuja origem é ainda tema de controvérsia e manipulação informativa – são muitos os países do nosso continente os submetidos a regimes políticos cujas autoridades se movem em um terreno pantanoso e contrário aos seus marcos institucionais.

Diante disso, poucos são os cidadãos comprometidos a exercer um papel ativo e de fiscalização, o que permite os excessos de organizações e indivíduos cujos objetivos estão enfocados em manter um férreo controle sobre povos e bens públicos, diante do olhar cúmplice da comunidade internacional e de seus reféns dentro das fronteiras. 

Abaixar a cabeça é uma de nossas piores falências como sociedade.

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia