Pesquisar
Pesquisar

Repressão no Chile é brutal e criminosa: Tiros nos olhos para não verem o que acontece?

Conforme relatórios da Faculdade de Medicina até 8 de novembro haviam 151 chilenos com trauma ocular grave
Rafael Calcines
Prensa Latina
Santiago

Tradução:

O jovem Gustavo Gatica surge hoje como símbolo da repressão excessiva das forças policiais contra os manifestantes que exigem mudanças substanciais para sair da crise social e política que o Chile está passando.

O estudante de 21 anos foi internado na sexta-feira (8) na clínica Santa María, nesta capital, gravemente ferido por balas nos dois olhos, lançado por policiais durante uma das muitas manifestações que quase diariamente movem o país.

Segundo o relatório médico, o ataque causou “um grave trauma ocular bilateral e visão nula desde a primeira avaliação”.

O paciente foi operado cirurgicamente por uma equipe especializada de oftalmologistas, que verificou a perda da visão no olho esquerdo e aguardava a evolução do lado direito.

Gatica corre o risco de perder completamente a visão, ou, na melhor das hipóteses, ter visão parcial em apenas um dos olhos.

É o primeiro caso de uma pessoa que recebe ferimentos nos dois olhos como resultado da repressão policial, mas faz parte de uma lista já longa daqueles afetados pelo mesmo procedimento, conforme relatórios da Faculdade de Medicina indicam que até 8 de novembro haviam 151  pacientes com trauma ocular grave.

Desses 129, correspondem a homens e 22 a mulheres, um número extraordinariamente alto que, na opinião dessa entidade, transbordou a capacidade de atenção dessa especialidade nas instituições hospitalares e leva muitos a pensar se é uma nova maneira de agir Corpo de polícia.

Conforme relatórios da Faculdade de Medicina até 8 de novembro haviam 151 chilenos com trauma ocular grave

Prensa Latina
Manifestantes que exigem mudanças substanciais para sair da crise social e política que o Chile está passando

O caso Gatica, e muitos outros, colocam as violações dos direitos humanos e a violência das forças estatais no centro das notícias no Chile, denunciadas não apenas pelas organizações chilenas, mas também por entidades e personalidades internacionais.

Figuras como o Prêmio Nobel da Paz Rigoberta Menchú e Guillermo Whpey, presidente da Fundação para a Democracia, criticaram a violação flagrante e sistemática dos direitos humanos durante as manifestações.

Na mesma linha, o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel também foi pronunciado, enquanto a Organização das Nações Unidas condenou o uso excessivo de força e violência pelas forças policiais durante protestos sociais.

A missão de seis funcionários independentes, que está aqui desde a semana passada, disse no Twitter que a violência nunca pode ser a resposta às demandas sociais e políticas das pessoas, e apontou que o alto número de feridos e a maneira pela qual foram utilizadas armas não letais, indicando que o uso da força era excessivo e violava os requisitos de necessidade e proporcionalidade.

Mas o tiro na cara não é a única demonstração de brutalidade policial, até 8 de novembro o Instituto Nacional de Direitos Humanos contabilizou 262 ações legais contra violações cometidas pelas forças policiais desde o início da mobilização popular.

Destes, 52 foram por violência sexual contra detidos cometidos pela polícia, incluindo ‘decapagem, ameaças, toque e quatro penetrações’, além de cinco por homicídio, seis por homicídio frustrado, 171 por tortura e tratamento cruel e 12 por ferimentos.

No entanto, em relação a essas acusações de violações sistemáticas, o Presidente Sebastián Piñera se limitou a considerar que ‘houve excessos, abusos, descumprimento das regras de uso da força, julgamentos ou crimes’ que o Ministério Público deveria investigar.

*Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Rafael Calcines

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei