Pesquisar
Pesquisar

Retorno à normalidade prometido por Biden será desastroso, pois levou EUA à Era Trump

Movimentos sociais que foram chaves para frear o projeto neofascista de Trump entendem que a eleição foi só um passo em uma luta pela democratização
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Noam Chomsky aponta que “a eleição inteira revelou a fragilidade extrema da democracia estadunidense”. Explica na entrevista que deu para Truthout que ainda antes de Trump era evidente que o país se aproximava cada vez mais a uma oligarquia, onde os mais ricos já estavam no controle das decisões fundamentais do governo, já criando uma crise democrática. 

A luta pela democratização do país tem sido constante desde suas origens até a presente data – essa luta que o historiador Howard Zinn revelou em sua obra, incluindo sua Outra História dos Estados Unidos – mas o assalto neofascista encabeçado por Trump é o atraque mais brutal contra as instituições e processos democráticos, e mais que isso, sobre as forças progressistas dentro e fora deste país, em tempos recentes. 

Nunca um presidente questionou a legitimidade antes, durante e depois de uma eleição e menos ainda recusar a garantir o traslado pacífico do poder. Isso é o que gerou, por primeira vez, o debate sobre se houve, ou ainda há, uma tentativa de golpe de Estado. Trump ainda insiste, sem evidência alguma, que houve fraude massiva realizada através de uma conspiração entre democratas, o FBI, partes do Departamento de Justiça e “comunistas”, incluindo os cubanos e os venezuelanos. E três quartas partes dos eleitores de Trump acreditam nele. 

Portanto, se espero que Trump nunca conceda a eleição, proclame que seu resultado é um governo “ilegítimo”, e que continua fazendo de tudo para desestabilizar o próximo regime, custe o que custar, ou seja, o assalto antidemocrático não acaba com o fim da presidência de Trump.  

Mas este assalto contra o processo político-eleitoral não se explica sem o ataque em massa contra a democracia durante as últimas quatro décadas, sob o esquema neoliberal que começou com a eleição de Ronald Reagan e que tem sido o eixo do consenso bipartidário da cúpula política e econômica deste país desde então. Com isso, se tem visto o pior nível de injustiça econômica em quase um século, expressado na desigualdade econômica cada vez mais extrema – e ainda mais acelerado nos últimos anos – junto com o desmantelamento do estado de bem-estar social e a privatização de programas sociais de saúde, educação, e até de guerras e prisões – incluindo centros de detenção para imigrantes e suas crianças. 

Movimentos sociais que foram chaves para frear o projeto neofascista de Trump entendem que a eleição foi só um passo em uma luta pela democratização

White House
Trump ainda insiste, sem evidência alguma, que houve fraude massiva realizada nas eleições.

O 0.1% mais rico duplicou sua fortuna desde o início do neoliberalismo há quatro décadas e agora controla 20% da riqueza nacional. Segundo um informe recente da Rand Corporation, aproximadamente $47 trilhões de dólares foram transferidos das classes trabalhadoras e médias (90% da população) aos mais ricos desde 1975 a 2018. 

Robert Reich adverte que o que agora promete o presidente Joe Biden é um retorno à “normalidade”, mas “isso será desastroso para os Estados Unidos., O normal nos levou a Trump… normal são quatro décadas de salários estancados e crescente desigualdade quando quase todos os incrementos econômicos se destinaram para os de cima… Normal é também a crescente corrupção da política pelo grande dinheiro – um sistema econômico feito por e para os ricos”.  

Por isso, um mosaico de movimentos e organizações sociais que foram chaves para frear o projeto neofascista de Trump entendem que a eleição foi só um passo em uma luta pela democratização dos Estados Unidos. Essa democratização do que antes se autoproclamava do “farol da democracia” – e que chegava a outros países para julgar e recomendar receita para ser mais como eles – agora requere da ajuda daqueles povos que têm lutado contra o neoliberalismo e a direita, ou seja, um movimento de solidariedade internacional para brindar apoio à luta pela democratização dos Estados Unidos. 

O farol requer uma nova luz. 

Cats & Dinosaurs, International SolidarityPaul Robeson “Joe Hill”, Flogging Molly “Times they Are a Changing

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação