Pesquisar
Pesquisar

Revolta, oligarquias e geopolítica: entenda os conflitos no Cazaquistão

Crise no país centro-asiático combina demandas justas da população com disputas complexas e alianças econômicas e militares
Bruno Beaklini
Outras Palavras
São Paulo (SP)

Tradução:

A crise no Cazaquistão nos apresenta um paradoxo na análise. Por um lado, é impossível desenvolver uma opinião qualificada sem levar em conta os fatores de política doméstica e a disputa intraoligárquica. Tampouco é factível analisar esta crise sem colocar na balança os elementos do cenário complexo regional.

Se o sistema político e o aparelho de Estado cazaque estão majoritariamente sob o controle de oligarcas nacionais e tribais, o território econômico implica em posição radicalmente inversa. Neste texto, apresentamos uma abordagem compreensiva buscando a complexidade necessária para uma análise responsável e não ocidentalizada.

A revolta e a reação do governo Tokayev

No dia 2 de janeiro, protestos explodiram na cidade de Zhanaozen, em função do preço do gás liquefeito (LGP), principal fonte de energia doméstica do país. Apesar de ser um grande produtor de petróleo e derivados, os preços internos e a inflação galopante acentuaram a desigualdade tendo como mola propulsora o custo deste bem de primeira necessidade. Em 6 de janeiro o presidente Kassym-Jomart Tokayev autorizou o emprego de força letal e denominou a operação repressiva como contra terrorista.

Tropas russas, totalizando um efetivo de mais de 2.500 militares, foram requisitadas pelo governo cazaque. Junto das forças policiais e guarda nacional, “estabilizaram” a situação, coibindo o dano ao patrimônio, cessando a queima de automóveis e a tentativa de interdição no aeroporto de Almaty – ex-capital, centro financeiro e maior cidade do país.

Tensão escala: Rússia diz que EUA devem parar de enviar armas à Ucrânia; entenda:

Segundo o ministro do interior do gabinete de Tokayev, Erlan Turgumbayev, o epicentro da rebelião se deu na mais populosa cidade do país. Nesta localidade, mais de 300 policiais e guardas nacionais teriam sido feridos, sendo oito mortos. O total de presos quando da escrita deste texto é da ordem de 5.135 pessoas e 164 cidadãos mortos pelas forças repressivas.

Crise no país centro-asiático combina demandas justas da população com disputas complexas e alianças econômicas e militares

Reprodução: YouTube
Para compreender a complexidade da crise no Cazaquistão, é necessária uma análise responsável e não ocidentalizada

A disputa política também motivou a revolta

Inicialmente motivados pelo preço do combustível (gás liquefeito, LGP), passando pela revolta contra a continuidade dos postos-chave nas mãos de aliados do ex-presidente, a rebelião sofre suspeita de ter sido insuflada por agentes externos. Pela “lógica”, operadores da OTAN de forma direta ou indireta teriam se somado às legítimas demandas da população. Um dos passos do governo foi afastar dois elementos de confiança do ex-presidente e até então a pessoa mais poderosa do país, Nursultan Nazarbayev.

Este passara o poder para Tokayev em março de 2019, mas seguia com o importante cargo à frente do Conselho de Segurança da república. A limpa continuou com a prisão de Karim Masimov (acusado de alta traição), por duas vezes primeiro ministro e ex-chefe da inteligência nacional, o Comitê de Segurança Nacional (KNB), herdeira local da KGB.

As defecções continuaram com a demissão do seu ex-primeiro ministro Askar Mamin e a nomeação de Alikhan Smailov como provisório. A ideia do governo que assumira em 2019 era satisfazer a população, revendo o aumento do combustível e se afastando da herança política de Nazarbayev.

Uma das teses para a rebelião interna, além do típico conflito distributivo, é somar o problema da desigualdade à questão dos vínculos familiares ou de clãs. Tomando em consideração a tragédia do sistema político sectário do Líbano e a eterna tensão de redes de tipo ergenekon na Turquia, essa possibilidade é perfeitamente plausível. As tradições túrquicas e mongólicas na Ásia Central podem remontar ao sistema de chingisismo, incluindo genealogia e ancestralidade.

Bitcoin despencou: Entenda como protestos no Cazaquistão atingiram indústria de mineração

Interessante observar que tanto o ex-presidente que criou uma capital com seu nome como o atual pertencem ao todo poderoso Nur Otan, Partido da Terra Mãe (ou Terra Natal), controlando 80% do parlamento e evidentemente os postos-chave no aparelho de Estado. Tokayev também procede da Elder Zhuz, a maior das confederações tribais do país, com laços de lealdades e indicações para controle de recursos e ocupações. Como a Zhuze majoritária domina os recursos de hidrocarbonetos oriundos em sua maior parte da costa do Mar Cáspio, onde habita a Zhuze (horda nômade) minoritária, a exploração econômica de petróleo e derivados é vista como mais um fator de descontentamento e injustiça de oportunidades.

Nazarbayev propositadamente se confunde e mistura com a lenda fundacional do país, Karasaj Altynay-uly– conhecido como Karasaj Batyr – oriundo da tribo Shaprashty, parte do clã Yeskozha, considerada a primeira linha de defesa da estepe. O mais longevo governante pós-soviético se autodenomina o “líder da nação”, e tem nos seus protegidos uma capacidade de mobilização política, econômica e religiosa que, de fato, por pouco não levou a uma derrubada do atual governo. As manobras de Samit Abish (ex-diretor do KNB) e de seu irmão, Kayrat Satyboldy – uma mescla de líder empresarial e incentivador de uma estreita visão do Islã – quase resultou em vitória sectária e golpe de Estado.

A dimensão geopolítica e internacional 

O Cazaquistão é país membro da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), estrutura securitária eurasiática liderada pela Rússia e que conta com a presença da Armênia, Bielorússia, Quirguistão e Tadjiquistão. Foi a partir deste tratado formal que o governo em Nursultan (antiga Astana), requisitou e obteve a presença de efetivos militares russos.

A temporalidade da revolta cazaque foi “perfeita” se a meta fosse deixar o Kremlin com dois flancos abertos simultaneamente. A crise na Ucrânia continua com a constante ameaça de a OTAN fazer deste país um membro efetivo da aliança liderada pelos EUA. Para o governo de Vladimir Putin, a estrutura do Tratado de Segurança Coletiva opera como uma excelente projeção de poder, garantindo tanto a presença russa em países da antiga União Soviética, como equilibrando o jogo de complementaridade e alguma concorrência com a China.

Pandora Papers põem em dúvida honestidade de líderes de Azerbaijão, Cazaquistão e Ucrânia

Podemos trazer como hipótese agravante na dimensão internacional, o papel de difusão do oligarca opositor cazaque – vivendo entre a França e Kiev – Muchtar Ablyazov. O ex-presidente do banco BTA é o epicentro da oposição exterior e certamente incide sobre parte da revolta. Como Ablyzaov se opõe tanto a Nazarbayev como a Tokayev, o operador da fraude de mais de US$ 5 bilhões e também fundador do partido Escolha Democrática seria mais uma opção alinhada com a OTAN e EUA do que necessariamente uma alternativa de poder real no país.

A complexidade do Cazaquistão

A revolta cazaque durou no máximo dez dias, obteve pronta resposta da CSTO e inaugura uma nova era entre Moscou e Nursultan. O jogo de poder dentro do Cazaquistão está atravessado pela internacionalização de seu território econômico e o papel central que o país das longas estepes tem no arranjo da Organização de Cooperação de Xangai, iniciativa de diplomacia chinesa acompanhando a Nova Rota da Seda e a chamada “diplomacia de infraestrutura ou ferroviária”.

É preciso reconhecer o Cazaquistão como pivô da segurança energética da Ásia Central e quiçá de toda a expansão da economia asiática. Outro fato inequívoco é que nenhuma análise unilateral, ocidentalizada ou preconceituosamente orientalista vai dar conta de interpretar as bases desta revolta e das disputas domésticas. O destino do país é fruto de um arranjo múltiplo e delicado, onde incide pressão externa, alianças político-militares rivais, disputa dentro da oligarquia pós-soviética e intertribal, além de causas justas como desenvolvimento e distribuição de renda.

Bruno Beaklini, É brasileiro de origem árabe-libanesa e apoiador da Causa Palestina e do pan-arabismo socialista desde 1982.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Bruno Beaklini

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda