Pesquisar
Pesquisar

Revolução tecnológica na África planeja torná-la vanguarda na produção de energia limpa

Meta é desenvolver e fornecer dez GW de energia solar até 2025 e atender 250 milhões de pessoas com eletricidade verde nos países mais pobres do mundo
RAZEENA RAHEEM
IPS
Bruxelas

Tradução:

Quando o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, lançou a Aliança Solar Internacional, em outubro de 2018, ele aplaudiu a meta de mobilizar cerca de US$ 1 trilhão para a implantação de cerca de mil gigawatts (GW) de energia solar até 2030. “Está claro que estamos testemunhando uma revolução global de energia renovável”, disse.

Essa revolução também está ocorrendo sob a liderança do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), que implantou a iniciativa Deserto ao Poder (DtP), um projeto solar altamente ambicioso para tornar a África uma casa de energia renovável. Espera-se que esse projeto se estenda pela região do Sahel, aproveitando o abundante recurso solar da região.

O projeto tem a meta de desenvolver e fornecer dez GW de energia solar até 2025 e atender 250 milhões de pessoas com eletricidade verde, inclusive em alguns dos países mais pobres do mundo. Pelo menos 90 milhões de pessoas estarão conectadas à eletricidade pela primeira vez, e sairão da pobreza energética.

Atualmente, 64% da população do Sahel – que abrange Senegal, Nigéria, Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger, Chade, Sudão, Etiópia, Djibuti e Eritreia – vive sem eletricidade, uma grande barreira ao desenvolvimento, com consequências para a educação, a saúde e os negócios. O BAD apontou, com razão, que a falta de energia continua sendo um impedimento significativo para o desenvolvimento econômico e social da África.

Iniciado em 2017 pelo BAD, o DtP foi descrito como “uma ambição grande e ousada: iluminar e energizar o Sahel, construindo uma capacidade de geração de eletricidade de dez gigawatts por meio de sistemas solares fotovoltaicos em projetos públicos, privados, redes e fora da rede pública até 2025, e consequentemente transformar a indústria, a agricultura e o tecido econômico de toda a região”

Meta é desenvolver e fornecer dez GW de energia solar até 2025 e atender 250 milhões de pessoas com eletricidade verde nos países mais pobres do mundo

Ideauniversal.org
O projeto é financiado pelo Fundo Africano de Desenvolvimento do BAD

O doutor Akinwumi Adesina, presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, falando em Ouagadougou, capital de Burkina Faso, onde participou da Cúpula do G5 do Sahel, salientou a importância da vontade política no sucesso da iniciativa Deserto ao Poder, cujo objetivo é garantir acesso universal a eletricidade para mais de 60 milhões de pessoas por meio da energia solar.

O presidente de Burkina Faso, Mark Roch Christian Kaboré, aplaudiu a iniciativa Deserto ao Poder do BAD e também destacou o excelente relacionamento de seu país com o banco, expressando seu agradecimento pelo portfólio de projetos implementados. Adesina foi convidado na Cúpula do G5 do Sahel, realizada em 13 de setembro.

Adesina chamou a atenção para o paradoxo de que uma das regiões mais ensolaradas do mundo não tem acesso à eletricidade. “Agora, mais do que nunca, a cooperação e o comércio transfronteiriço de energia são essenciais para manter um suprimento seguro a longo prazo, diante dos desafios das mudanças climáticas”, disse, acrescentando que “em Burkina Faso foram tomadas medidas significativas com o projeto de eletrificação rural de Yeleen, apoiado pelo BAD”.

Como parte de sua estratégia de eletrificação para a África, o BAD está comprometido em acelerar o acesso à energia de alta qualidade e baixo custo para o povo do continente. As conexões críticas de rede foram aprovadas pelo Conselho do banco: Mali-Guiné, Nigéria-Níger-Benin-Burkina Faso e Chade-Camarões. O Projeto de Eletrificação Rural de Yeleen, envolvendo a produção de energia fora da rede em Burkina Faso, é o primeiro empreendimento da iniciativa DtP.

Burkina Faso, um país de baixa renda do Sahel, foi negativamente impactado por variações climáticas extremas, como declínio das chuvas, aumento da temperatura, inundações e secas. Com capacidade instalada de 285 megawatts, cerca de três milhões de famílias em Burkina Faso estão completamente sem energia.

Dos 19 milhões de habitantes de Burkina Faso, 90% vivem em áreas rurais, onde o acesso à eletricidade – principalmente com geradores a diesel – é de apenas 3%. A agricultura, a base da economia rural de Burkina Faso, também é a mais vulnerável aos impactos das mudanças climáticas.

O doutor Akinwumi Adesina, presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, falando em Ouagadougou, capital de Burkina Faso, onde participou da Cúpula do G5 do Sahel, salientou a importância da vontade política no sucesso da iniciativa Deserto ao Poder, cujo objetivo é garantir acesso universal a eletricidade para mais de 60 milhões de pessoas por meio da energia solar.

Burkina Faso

O presidente de Burkina Faso, Mark Roch Christian Kaboré, aplaudiu a iniciativa Deserto ao Poder do BAD e também destacou o excelente relacionamento de seu país com o banco, expressando seu agradecimento pelo portfólio de projetos implementados. Adesina foi convidado na Cúpula do G5 do Sahel, realizada em 13 de setembro.

Adesina chamou a atenção para o paradoxo de que uma das regiões mais ensolaradas do mundo não tem acesso à eletricidade. “Agora, mais do que nunca, a cooperação e o comércio transfronteiriço de energia são essenciais para manter um suprimento seguro a longo prazo, diante dos desafios das mudanças climáticas”, disse, acrescentando que “em Burkina Faso foram tomadas medidas significativas com o projeto de eletrificação rural de Yeleen, apoiado pelo BAD”.

Como parte de sua estratégia de eletrificação para a África, o BAD está comprometido em acelerar o acesso à energia de alta qualidade e baixo custo para o povo do continente. As conexões críticas de rede foram aprovadas pelo Conselho do banco: Mali-Guiné, Nigéria-Níger-Benin-Burkina Faso e Chade-Camarões. O Projeto de Eletrificação Rural de Yeleen, envolvendo a produção de energia fora da rede em Burkina Faso, é o primeiro empreendimento da iniciativa DtP.

Burkina Faso, um país de baixa renda do Sahel, foi negativamente impactado por variações climáticas extremas, como declínio das chuvas, aumento da temperatura, inundações e secas. Com capacidade instalada de 285 megawatts, cerca de três milhões de famílias em Burkina Faso estão completamente sem energia.

Dos 19 milhões de habitantes de Burkina Faso, 90% vivem em áreas rurais, onde o acesso à eletricidade – principalmente com geradores a diesel – é de apenas 3%. A agricultura, a base da economia rural de Burkina Faso, também é a mais vulnerável aos impactos das mudanças climáticas.

O projeto é financiado pelo Fundo Africano de Desenvolvimento do BAD, além de contar com um cofinanciamento mobilizado pelo BAD a partir do Fundo Verde para o Clima (GCF) e da União Europeia. O projeto também alavancará os investimentos do setor privado por meio de ações e dívidas levantadas de bancos comerciais. Aproveitará a energia solar para fornecer eletricidade para mais de 900 mil pessoas nas áreas rurais – quase 5% da população do país – e deverá resultar em uma redução média anual de 15 500 toneladas nas emissões de CO₂.

Durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP₂₄) de dezembro de 2018, em Katowice, Polônia, Guterres pontuou que a energia renovável representou cerca de 70% das adições líquidas à capacidade global de energia em 2017, e que a energia solar está no centro dessa revolução. “Precisamos mudar rapidamente nossa dependência de combustíveis fósseis. Precisamos substituí-los por energia limpa gerada com água, vento e sol. Precisamos parar o desmatamento, restaurar florestas degradadas e mudar a maneira como cultivamos”, enfatizou. A alternativa à mudança para a energia verde, “é um futuro sombrio e perigoso”, ressaltou.

Segundo o BAD, estima-se que a pobreza energética na África custe ao continente entre 2% e 4% do PIB anualmente. Os detalhes da iniciativa Deserto ao Poder foram descritos como parte das negociações sobre mudanças climáticas do Acordo de Paris na COP₂₄. “A energia é a base da vida humana, todo o nosso sistema depende disso. Para a África, no momento, fornecer e garantir energia sustentável está na espinha dorsal de seu crescimento econômico”, opinou Magdalena J. Seol, consultora do BAD, sobre a iniciativa Deserto ao Poder.

“A falta de energia permanece como um impedimento significativo ao desenvolvimento econômico e social da África. O projeto trará muitos benefícios para a população local. Vai melhorar o acesso à eletricidade para famílias de baixa renda e permitirá que as pessoas façam a transição para longe de fontes de energia perigosas, como o querosene, que traz riscos à saúde”, acrescentou Seol.

O projeto também criará empregos e ajudará a atrair o envolvimento do setor privado em energia renovável na região. Colocando o problema em sua perspectiva correta, pontuou Guterres, na COP₂₄, na última década os preços das energias renováveis despencaram e os investimentos estão aumentando. “Hoje, um quinto da eletricidade do mundo é produzido por energia renovável. Devemos construir sobre isso”. Ele enfatizou que o mundo está vendo uma onda de ação climática.

“Está claro que energia limpa faz sentido para o clima. Mas também faz sentido econômico. Hoje é a energia mais barata. E trará benefícios significativos à saúde. A poluição do ar afeta quase todos nós, independentemente das fronteiras”, apontou Guterres, e incentivou empresas, governos e organizações da sociedade civil a divulgar o risco climático, a desinvestir em combustíveis fósseis e a estabelecer parcerias em projetos de infraestrutura resiliente de baixa emissão.

“Precisamos fazer isso, das maiores às menores cidades. As oportunidades são tremendas”, indicou Guterres, destacando que cerca de 75% da infraestrutura necessária até 2050 ainda precisa ser construída. “Como isso for feito, nos trancará em um futuro de alta emissão ou nos levará a um desenvolvimento verdadeiramente sustentável de baixas emissões. Existe apenas uma escolha racional”, ressaltou.

De acordo com o BAD, muitas empresas lideradas por mulheres atualmente enfrentam barreiras maiores do que as empresas lideradas por homens para acessar a eletricidade da rede – portanto, o projeto tem o potencial de aumentar a participação feminina em atividades econômicas e processos de tomada de decisão.

O projeto foi lançado em colaboração com o Green Climate Fund, criado pelos 194 países que fazem parte da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), que apoia os países em desenvolvimento a se adaptarem e mitigarem as mudanças climáticas. O programa foi projetado para combinar capital do setor privado com financiamento misto.

“Se você olhar para os países que essa iniciativa apoia, eles são os mais afetados pelas mudanças climáticas e pelas emissões de carbono de outras partes do mundo”, indicou Seol. “Diante disso, os investimentos terão um efeito maior nessas regiões, com maior demanda e oportunidade de mercado no setor de energia. “As mulheres geralmente são desproporcionalmente afetadas negativamente pelos problemas de acesso a energia. Fornecer uma eletricidade segura e sustentável também cria um impacto positivo na questão de gênero”, acrescentou.

O continente africano detém 15% da população mundial, mas deve arcar com quase 50% dos custos estimados de adaptação às mudanças climáticas globais, de acordo com o BAD. Esses custos devem reduzir investimentos em saúde, abastecimento de água, agricultura e silvicultura, apesar de sua contribuição mínima para as emissões globais.

No entanto, a Agência Internacional de Energia Renovável (Irena) avalia que o potencial de energia renovável da África possa colocar o continente na vanguarda mundial da produção de energia verde. Estima-se que tenha um potencial quase ilimitado de capacidade solar (10 TW), energia hídrica abundante (350 GW), eólica (110 GW) e fontes de geotérmica (15 GW) – e uma potencial capacidade global de energia renovável de 310 GW em 2030.

Outros projetos de energias renováveis na África incluem o complexo solar Ouarzazate, em Marrocos, que é uma das maiores usinas solares concentradas do mundo. Produziu mais de 814 GW por hora de energia limpa desde 2016 e, no ano passado, a usina solar impediu a emissão de 217 mil toneladas de dióxido de carbono. Até recentemente, o Marrocos supria 95% de suas necessidades de energia com fontes externas.

Na África do Sul, o BAD e seu parceiro, o Climate Investment Fund, ajudaram a financiar o Parque Eólico Sere – 46 turbinas que fornecem cem megawatts à rede elétrica nacional, atendendo 124 mil casas – e esperam economizar seis milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao longo de sua vida útil, prevista para um período de 20 anos.

A COP24 é a 24ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). Este ano, os países estão se preparando para implementar o Acordo de Paris, que tem o objetivo de limitar o aquecimento global do mundo a não mais que 2º Celsius.

*IPS, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
RAZEENA RAHEEM

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação