Pesquisar
Pesquisar

Roger Waters conclama chilenos que se ausentaram nas eleições a votarem por Boric no 2º turno

O ex-membro do Pink Floyd, uma das maiores bandas de todos os tempos, lançou um chamado ao povo para votar nas eleições presidenciais em 19 de dezembro
Caio Teixeira
ComunicaSul
Florianópolis (SC)

Tradução:

Roger Waters, ex-membro do Pink Floyd, uma das maiores bandas de todos os tempos, lançou um chamado ao povo chileno para votar no segundo turno das eleições presidenciais em 19 de dezembro, de forma a garantir ao Chile um futuro que livre do neoliberalismo.

Na gravação publicada no Youtube uma semana depois do primeiro turno das eleições, ele chama atenção em especial para os 54% de eleitores que não compareceram às urnas. Segundo Waters, a última esperança do povo chileno é deixar a abstenção fora das estatísticas do segundo turno.

Para isso, conclama a todas as pessoas boas do Chile, os que votaram e os que não votaram, a se unirem dia 19, saírem de suas casas, ombro a ombro, escreverem seu nome numa página da História dizendo não ao neoliberalismo para sempre, e mostrando ao mundo que os chilenos se levantaram para mostrar ao mundo que se amam e dizem não ao “Big Brother”, referindo-se ao poder dos grandes meios de comunicação.

Roger Waters é um músico, uma celebridade, comprometido com a luta pela paz e pelos direitos humanos no mundo, apoiando sem medo a causa palestina e todas as lutas antifascistas, onde quer que ocorram.

O ex-membro do Pink Floyd, uma das maiores bandas de todos os tempos, lançou um chamado ao povo para votar nas eleições presidenciais em 19 de dezembro

Wikimedia Commons
Roger Waters, ex-membro do Pink Floyd.

Contra Trump e Bolsonaro

As letras de suas músicas têm profundo conteúdo crítico a todas as formas de opressão. Em sua última turnê pelo Brasil, no show em São Paulo às vésperas da eleição presidencial em 2018, ele apresentou um slide com uma lista de políticos mundiais de extrema-direita que incluía Trump e Bolsonaro.

Os bolsonaristas conseguiram uma liminar na Justiça obrigando-o a tirar o nome do candidato nos demais shows pelo Brasil que foram palco de batalhas por parte do público, sendo as vaias sempre abafadas pelos aplausos da ampla maioria dos fãs da banda. No show do Rio ele usou uma camiseta com a inscrição “Lute como Marielle Franco” e, dentre as imagens, que desfilaram nos telões durante Todos os shows aparecia sempre a inscrição “#EleNão” símbolo da campanha antifascista no Brasil, na época da eleição.

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Caio Teixeira

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025