Pesquisar
Pesquisar

Rússia, China e Cuba são eleitos para o Conselho de Direitos Humanos da ONU

A Assembleia Geral da (ONU) elegeu, nesta terça-feira (13), Rússia, China, Cuba e 12 outros países para servir como membros do Conselho de Direitos Humanos
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
São Paulo (SP)

Tradução:

Este ano, as eleições para o Conselho de Direitos Humanos tiveram 16 candidatos de quatro grupos regionais – África, Ásia-Pacífico, Leste Europeu, América Latina e Caribe, e Europa Ocidental – competindo por uma vaga no órgão com sede em Genebra, na Suíça. Para ser eleito, um país necessita obter 97 votos.

A Rússia recebeu 159 votos a favor e se juntará ao grupo do Leste Europeu junto com a Ucrânia, que foi reeleita para um segundo mandato com 166 votos a favor. A China obteve 139 votos e participará do conselho junto com Nepal, Paquistão e Uzbequistão. A Arábia Saudita não foi eleita no conselho porque não conseguiu obter a maioria necessária de votos.

A Assembleia Geral da (ONU) elegeu, nesta terça-feira (13), Rússia, China, Cuba e 12 outros países para servir como membros do Conselho de Direitos Humanos

Reprodução: WinkieMedia
O presidente da Russia Vladimir Putin e o politico cubano Raúl Castro.

Cuba, que recebeu 170 votos a favor, se juntará ao México, Bolívia, França, Reino Unido, Costa do Marfim, Gabão, Malaui e Senegal para servir no conselho pelos próximos três anos.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU é composto por 47 Estados-membros da ONU responsáveis pela promoção e proteção dos direitos humanos. Os membros são escolhidos por voto secreto e não podem ser reeleitos imediatamente após cumprir dois mandatos consecutivos.  

Senegal, Nepal, Paquistão, Ucrânia e México cumprirão seu segundo mandato no órgão a partir do início de 2021.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo
jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista
Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os
nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção
jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição