Pesquisar
Pesquisar

Rússia denuncia manobras dos Estados Unidos para impedir ajuda humanitária a Cuba

Devido ao bloqueio é impossível entregar dois milhões de máscaras cirúrgicas, 400.000 testes rápidos de diagnóstico e 104 dispositivos de ventilação artificial
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Moscou

Tradução:

A Rússia denunciou hoje as manobras dos Estados Unidos para impedir a chegada de ajuda humanitária a Cuba para combater a pandemia da Covid-19, como parte do cerco econômico contra a nação caribenha. 

Enquanto Cuba envia seus médicos para ajudar outras nações (Itália, Venezuela, Nicarágua, El Salvador), a esse mesmo país se nega a possibilidade de receber material importante como equipamentos médicos, declarou a porta-voz da Chancelaria, Maria Zakharova.

Tal atitude dos Estados Unidos está fora de qualquer lógica de entendimento, disse a porta-voz ao responder à Prensa Latina sobre os obstáculo criados por Washington para impedir a chegada de ajuda solidária à ilha. 

Por causa do bloqueio imposto há quase 60 anos, foi impossível levar a Cuba dois milhões de máscaras cirúrgicas, 400 mil testes de diagnóstico e 104 aparelhos ventilação artificial, declarou.

Devido ao bloqueio é impossível entregar dois milhões de máscaras cirúrgicas, 400.000 testes rápidos de diagnóstico e 104 dispositivos de ventilação artificial

Prensa Latina
A porta-voz da Chancelaria da Rússia, Maria Zakharova

Bloqueio a ajuda filantrópica e humanitária

Neste caso, trata-se de uma carga preparada na China pelo filantropo e presidente da diretoria do consórcio Alibaba, Jack Ma, para 24 países da América Latina e do Caribe, entre eles Cuba, assegurou a funcionária.

A intenção do empresário era enviar essa volumosa ajuda, mas nisso interveio a política, pois a companhia estadunidense que havia sido contratada se negou a levar à ilha a carga humanitária, afirmou a porta-voz.

Zakharova denunciou que isso é uma nova demonstração do caráter criminoso das sanções unilaterais, em geral, e a dos Estados Unidos, em concreto, neste caso por atentar contra a vida e a saúde de milhões de pessoas, ao deixá-las em condições mais difíceis em suas nações. 

Além disso, ocorre quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) apela para o apoio aos países afetados pela pandemia, para que se abandonem as guerras comerciais e para que as sanções unilaterais sejam levantadas, para permitir o acesso sem obstáculos a alimentos e medicamentos necessários, destacou Zakharova.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas