Pesquisar
Pesquisar

Sábado Resistente: A Resistência Estudantil contra a Ditadura

João Baptista Pimentel Neto

Tradução:

Une somos nósLançamento de filme sobre o episódio do restaurante Calabouço em 1968. Debate sobre o Congresso de reconstrução da UNE em 1979.

O movimento estudantil se destacou na resistência a ditadura implantada pelo golpe civil-militar de 1964 e teve, juntamente com outros setores sociais, um papel importante nas ações de contestação à ditadura. A União Nacional de Estudantes (UNE), que viu a sua sede incendiada nos primeiros dias de abril de 1964, não esmoreceu na organização estudantil e desafiou um sistema repressivo que não poupou esforços para eliminar a luta pelo retorno à legalidade e pelo fim das violações aos direitos constitucionais.
 
Em março de 1968, no auge desta movimentação estudantil, ocorreu o assassinato do estudante Edson Luís de Lima Souto, estudante secundarista paraense, durante um confronto com os policiais militares no restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro. Seu assassinato marcou o início de um ano de intensas mobilizações contra o regime, que se endureceu até a decretação do AI-5 em dezembro daquele ano.
 
O Sábado Resistente de agosto promoverá um debate sobre o Documentário “Calabouço 1968 – um tiro no coração do Brasil”, que narra o episódio que marcou a juventude brasileira, provocando a necessidade de organizar-se para seguir enfrentando a ditadura e reativar suas entidades estudantis, mesmo clandestinamente. 
 
uneTambém serão rememorados os 35 anos do congresso para a reconstrução da UNE, realizada em Salvador em 1979.
 
O evento contará, ainda, com o lançamento do livro “As trincheiras do silêncio” do poeta piauiense Pedro Laurentino, que lerá duas de suas poesias, que marcam a luta do autor durante o regime militar.

PROGRAMAÇÃO

14h – Boas Vindas:   Katia Felipini (Memorial da Resistência)
        Coordenação: Ivan Seixas (Núcleo de Preservação da Memória Política )

14h15 – Exibição do Filme “Calabouço 1968, Um tiro no coração do Brasil”, de Carlos Pronzato

15h15 – Mesa redonda: Paulo Gomes e Geraldo Sardinha (produtores executivos do documentário “Calabouço 1968 – Um tiro no coração do Brasil”); João Couto (presidente do DCE da Universidade Federal do ABC); Virgínia Barros (presidente da UNE)

16h30 – Ato cultural – Leitura de poesias e lançamento do Livro “As trincheiras do Silêncio” de Pedro Laurentino

16h45 – Debate
 
Os Sábados Resistentes, promovidos pelo Memorial da Resistência de São Paulo e pelo Núcleo de Preservação da Memória Política, são um espaço de discussão entre militantes das causas libertárias, de ontem e de hoje, pesquisadores, estudantes e todos os interessados no debate sobre as lutas contra a repressão, em especial à resistência ao regime civil-militar implantado com o golpe de Estado de 1964. Os Sábados Resistentes têm como objetivo maior o aprofundamento dos conceitos de Liberdade, Igualdade e Democracia, fundamentais ao Ser Humano.

Serviço

Memorial da Resistência de São Paulo

Largo Gal. Osório, 66, Luz
São Paulo/SP)
Sábado – 23-08-2014 – Das 14h às 17h30


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
João Baptista Pimentel Neto Jornalista e editor da Diálogos Do Sul.

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia