Pesquisar
Pesquisar

Sacha Petcherski: o herói líder da maior fuga de campos de concentração na 2ª Guerra Mundial

Somente em 2007, uma pequena placa memorial foi colocada no prédio onde viveu seus últimos dias, em Rostov, na Rússia
Carlos Russo Jr
Diálogos do Sul Global
Florianóolis (SC)

Tradução:

O jovem músico nas horas vagas, contador e eletricista profissional nascido em Kremenchuk, Ucrânia, foi incorporado ao Exército Vermelho assim que a URSS foi invadida pela Alemanha nazista, em 1941.

Incorporou-se, na verdade, a uma luta de vida e morte sem se deixar destruir nunca!

Em poucos meses de guerra salvou seu comandante de batalhão, abafando com sacos a explosão de uma granada. Não lhe foi dado nenhum reconhecimento. Disse um de seus companheiros de combate: “Se Sacha não é um herói, quem seria? ”

Não é só Bolsonaro: estudo aponta aumento da desaprovação da direita na América Latina

Após diversos combates foi promovido a oficial e participou da resistência ao cerco de Moscou. Sua unidade foi toda abatida, exceto ele, que foi feito prisioneiro. Passou, então, por diferentes campos de concentração, até que contraiu tifo, o que o abateu durante sete meses. Assim que recuperou a saúde, em maio de 1942, organizou uma fuga com quatro companheiros do campo de trabalhos de Borissov, mas foi recapturado. Novamente, sua habilidade como eletricista salvou-o da execução, à qual seus companheiros foram submetidos. Foi enviado a Minsk.

Em Minsk, outro campo de trabalhos forçados para a indústria eletrônica dos alemães, um médico nazista o inspecionou e viu que ele possuía circuncisão. Admitiu ser judeu.

Estava condenado à morte.

Ao ser transportado a Sobibor (campo de extermínio na Polônia), o tenente Petcherski disse: “Eu penso em quantos círculos havia no Inferno de Dante. Parece que nove. Por quantos já passei? Ser capturado pelos nazistas, campo de Viazma, Smolensk, Borissov, Minks e agora finalmente estou aqui. Qual será o próximo? ”

Somente em 2007, uma pequena placa memorial foi colocada no prédio onde viveu seus últimos dias, em Rostov, na Rússia

Wikipedia
Em Tel Aviv, entretanto, foi erguido um Memorial em sua homenagem




A fuga de Sobibor

Pois o judeu ucraniano Sacha comandaria a rebelião dos prisioneiros do campo de extermínio, naquilo que passaria para a história como a maior fuga de prisioneiros de campos de concentração da Segunda Guerra Mundial, em outubro de 1943.

Já haviam sido exterminados mais de 250 mil judeus no campo de Sobibor! Os SS simplesmente não acreditavam que o “povo inferior” pudesse se sublevar. Pois Sacha, em menos de 21 dias assumiu a liderança dos condenados à morte. Planejou uma fuga armada. Gustav Wagner (1), o SS comandante do campo, saiu de férias. Aproveitando um dos previsíveis momentos de embriagues dos nazistas, com armas brancas improvisadas, eles executaram alguns guardas e apossaram-se de suas armas. Abriram à bala a fuga do campo.

Justiça abre canal para receber informações sobre extremistas de Brasília; denuncie

Então, aproximadamente, 600 judeus condenados conseguiram fugir para as florestas e pelo menos a metade deles obteve a liberdade. Alguns buscaram a incorporação a comandos guerrilheiros de resistência aos nazistas.

Sacha Petcherski fugiu rumo à Bielorrússia onde incorporou-se à guerrilha. Combateu até fins de 1944, quando o Exército Vermelho liberou a área.

No entanto, ele e seus companheiros de guerrilha foram colocados pelo Exército Vermelho em batalhões “especiais”, por serem “suspeitos de traição”, já que haviam logrado fugir ao inimigo, o que era considerado uma improbabilidade!

Sacha concordou em ser usado como bucha de canhão para as ações das quais poucos retornavam vivos: a limpeza de campos minados deixados pelos nazis em fuga.

Pois Sacha sobreviveu também a isto e com tal denodo e dedicação que foi promovido a capitão, com direito a medalha de bravura. Antes do final da guerra, o comandante de seu batalhão, ao ouvir seus relatos sobre Sobibor e arriscando a própria cabeça, enviou-o a Moscou para testemunhar ante o “Comitê Antifascista Judeu”.

Com o final da guerra, Stalin não teve mais porque obnubilar seu antissemitismo. Em 1948, Sacha Petcherski, que conseguira emprego como administrador de teatro, é demitido e preso, suspeito de “atividades antissoviéticas”.


A sobrevivência

O assassinato em massa dos judeus no campo de Sobibor constituiu um dos principais julgamentos de nazistas em Nuremberg. O Tribunal Internacional chamou Petcherski como testemunha de acusação, mas o governo soviético não permitiu sua saída da prisão. Ficou encarcerado até a morte de Stalin em um “gulag” de trabalhos forçados. Sobreviveu também a esta prova!

O governo soviético também o impediu de participar como testemunha do julgamento do criminoso nazista Adolf Eichmann, em Israel.

Não faz sentido comparar Nazismo e Comunismo, entenda por quê

Somente em 1956, quando do julgamento em Moscou de 11 guardas ucranianos de Sobibor, lhe foi permitido testemunhar contra os genocidas. Todos eles foram condenados à morte.

Um de seus maiores desgostos ocorreu em 1987, nos narra sua filha, quando um dos carrascos de Sobibor, do qual se recordava como assassino sádico de crianças, foi a julgamento na Polônia. A KGB impediu que ele saísse da URSS.


Aquele que somente à velhice não resistiu

Em 1953, depois de libertado, Sacha foi obrigado a residir em Rostov, onde voltou a dedicar-se ao teatro e à música e a escrever suas memórias, aquilo que fez por todo o restante de vida, pois somente a velhice poderia batê-lo!

E foi pobre esquecido que Sacha Petcherski morreu em janeiro de 1990, aos 82 anos de idade, sem jamais ter recebido qualquer homenagem ou recompensa por todo o heroísmo de uma vida.

Somente em 2007, uma pequena placa memorial foi colocada no prédio onde viveu seus últimos dias, em Rostov.

Em Tel Aviv, entretanto, foi erguido um Memorial em sua homenagem.

E, em 1987, foi produzido o filme “Fuga de Sobibor”, sob a direção de Jack Gold.

Referências:

  1. Gustav Wagner, após a guerra, com apoio do Vaticano, homiziou-se no Brasil, na cidade de Atibaia. Preso, a ditadura militar negou-se a extraditá-lo. Sua história está disponível em https://proust.net.br/o-caso-do-genocida-gustav-wagner-e-a-fatidica-cidade-de-atibaia/
  2. Grossman, V. A estrada. Alfaguara, ed.
  3. Ehremburg y Grossman. El libro negro de Sobibor. Gutemberg, ed.

Carlos Russo Junior | Colaborador da Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

Frida-Kahlo
Anos de ouro: o êxito vivido pela Cidade do México e por Frida Kahlo pós-crise de 1929
Foto de Adrian Swancar na Unsplash
Frei Betto | Refém das redes digitais, juventude grita por socorro! Como evitar o pior?
Vicente Lombardo Toledano
O marxismo de Vicente Lombardo Toledano, fundador da Confederação de Trabalhadores da América Latina
vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente