Pesquisar
Pesquisar
Foto: Foto: Eva Ercolanese, PSOE / Flickr

Sánchez se calou quando esquerda espanhola foi vítima de lawfare; agora, ele é o alvo

Em junho de 2022, a vice-presidenta do Governo de Valença renunciou ao cargo em meio a uma ofensiva da extrema-direita, e Sánchez alimentou as acusações
Javier H. Rodríguez
El Salto
Madri

Tradução:

Carolina Ferreira

As palavras com que Mónica Oltra, então vice-presidente do Governo de Valença e um dos maiores destaques políticos da esquerda valenciana, renunciou aos seus cargos em junho de 2022, após uma das maiores campanhas de assédio policial, midiático e judicial dos últimos anos da direita e do centro-esquerda, tanto políticos como midiáticos, ressoam hoje em dia nas cabeças dos líderes de esquerda. Eles estão “atingindo-os, um por um, com falsas queixas”. No dia em que quiserem reagir – esse dia pode estar chegando – Oltra disse: “Eles também terão derrubado você”.

Boatos fabricados desde o seio do partido Vox e suas terminais midiáticas foram em seguida recolhidos pela Cadena Ser, La Sexta e uma boa quantidade de meios de comunicação que se autodenominam progressistas sob uma estratégia amalgamada com a do Partido Socialista que buscava fazer Oltra renunciar e livrar-se de sua principal concorrente política na região. 

Para isso, recorreram a jornalistas como enviados especiais, programas de televisão e rádio estatais transmitidos a partir de Valença, talk shows selvagens, capas e centenas de fotos com os piores gestos. Uma estratégia rudimentar, mas inegavelmente eficaz em termos políticos.

O presidente Sánchez e os altos funcionários do PSOE não só não ficaram calados, mas também alimentaram o monstro do lawfare que – surpresa – nesta quarta-feira (24) se voltou contra eles e deu sua primeira grande mordida: conseguiram fabricar um caso de corrupção contra Begoña Gómez, esposa de Pedro Sánchez, a respeito de um suposto crime de tráfico de influência e corrupção empresarial. 

No entanto, forçados ou não pela aritmética eleitoral, todo o espectro de partidos situados à esquerda do PSOE na Câmara, incluindo as soberanias, tem respondido de forma radicalmente diferente daquela adotada pelas fileiras do Partido Socialista em casos como o de Oltra, a juíza Victoria Rosell, o ex-vice-presidente Pablo Iglesias, a ex-ministra Irene Montero, os líderes independentistas ou o deputado Alberto Rodríguez, entre muitos outros. Aproveitaram então para semear dúvidas sobre a honorabilidade dos citados acima ou até pediram uma ‘guilhotina’. Hoje, o resto da esquerda deu-lhes uma lição de generosidade e solidariedade.

Somar pede continuidade com a “maioria complicada” da investidura. A segunda vice-presidente e líder de Somar, Yolanda Díaz, não demorou muito na noite de quarta-feira para prestar todo o seu apoio ao presidente do Governo durante seus dias de reflexão, estando consciente, disse ela, de sua “situação difícil”: “A ofensiva da direita não consegue o que quer. Devemos defender a democracia, o bloco progressista e a legitimidade do governo de coligação que tanto melhorou a vida das pessoas”. Como é habitual em seu discurso público, Díaz evitou especificar vítimas já dissecadas ou favoreceu a abstração dos perpetradores. Da mesma forma, Íñigo Errejón, porta-voz de Somar no Congresso, concentrou suas intervenções nos meios de comunicação nesta quinta-feira (25) em situar a reflexão de Sánchez sobre “um problema de distribuição desigual do poder no Estado”, que transcende qualquer pessoa da primeira linha. 

Desde Somar defendem o alargamento desta guerra suja a um problema da democracia e insistem, tanto no PSOE como nas restantes forças que apoiaram a investidura de Sánchez, em tornar mais sólido este roteiro governamental: “Este Governo vale a pena. Há maioria para poder avançar no Congresso. É verdade que não se trata de uma maioria fácil, mas não existe maioria alternativa. É uma maioria complicada, mas as coisas podem avançar.” 

O partido Podemos adere à solidariedade, mas lembram de todo o assédio sofrido. Não tem sido difícil para a secretária-geral do partido Podemos, Ione Belarra, mostrar o seu apoio e o do seu partido contra a campanha de assédio e demolição contra a esposa do presidente do Governo: “A nossa solidariedade e empatia com o Presidente Sánchez. No partido Podemos sabemos bem o que significam a guerra legal e a perseguição midiática”, disse ele na sua conta Twitter. 

No entanto, Belarra salienta que estes efeitos da guerra judicial estão presentes na política espanhola há anos: “Devíamos tê-los detido quando assediaram o vice-presidente e um ministro do governo na sua própria casa. Ainda assim, pensamos que é sempre tempo de defender a democracia, apesar do elevado preço que isso acarreta. Ou a democracia prevalece, ou os reacionários vencem. 

A democratização do judiciário e da mídia é uma urgência democrática”, afirmou. Da mesma forma, o editorial do Diário Red, meio de comunicação dirigido pelo ex-vice-presidente Pablo Iglesias, recordou o poema de Martin Niemoller amplamente citado atualmente: “Quando os nazistas vieram para tirar os comunistas, fiquei calado, pois não o fiz. Ele era comunista.” E entrelaçaram-no no presente: “A voracidade predatória que o bloco reacionário apresenta quando se trata de destruir os seus inimigos é infinita e, portanto, o acordo é impossível”.

As soberanias catalã, basca e galega também ficam do lado de Sánchez. Não foi necessário que Pedro Sánchez convocasse uma moção de confiança para ver os principais líderes das soberanias catalã, basca e galega cerrarem fileiras com ele e face à perseguição midiática e judicial a Begoña Gomez. Gabriel Rufián, porta-voz do partido ERC no Congresso, manifestou esta manhã num programa da Telecinco a sua posição relativamente a uma possível questão de confiança no Presidente do Governo, Pedro Sánchez: “Falar disto é especular. Se no final o presidente o fizer, o que posso garantir é que não daremos asas às invenções do fascismo. E se uma questão de confiança é necessária para isto, não temos absolutamente nenhuma razão para não apoiá-la.” 

Além disso, Rufián apelou ao Presidente Sánchez para permanecer firme face às pressões externas: “Peço ao presidente que aguente firme e não vá embora porque um juiz inventa através de uma organização filo-fascista como Manos Cleans que a sua esposa está sob investigação. que coisas. Defender a família é importante, mas o custo não tem de ser parar de liderar um Governo legítimo”, afirmou. Rufián também destacou a importância de apoiar quem enfrenta ataques por suas ideias: “O que acontece quando alguém pede ajuda e diz que não aguenta mais é levantar o debate a partir de um ponto de apoio. Todos nós sofremos ataques por nossas ideias ou censuras, é um ambiente tóxico”. 

Por sua vez, Arnaldo Otegi, coordenador geral da coalizão EH Bildu, seguiu uma linha semelhante, ainda mais crítica ao sistema judicial: “O sistema judicial do Estado espanhol utiliza permanentemente o lawfare. E quando você compra as notas da extrema-direita, você acaba com um juiz que é encorajado.” “Durante anos fizeram uma defesa firme da independência do sistema judicial espanhol e este é totalmente inexistente”, acrescentou Otegi na Rádio País Basco e garantiu o seu apoio: “Não vamos ceder à direita”. 

Néstor Rego, deputado do Bloco Nacionalista Galego no Congresso, também mostrou o seu apoio e recordou os estratagemas que Alberto Núñez Feijóo utilizou durante as eleições galegas de 2009 para assumir a qualquer preço a Junta: “O partido PP é especialista em fazer campanha suja para destruir oponentes. Use o judiciário, as instituições e a mídia. No Bloco Nacionalista Galego sabemos disso bem.” O BNG quis demonstrar “respeito, empatia e firmeza democrática”: “A melhor forma de travar a estratégia de direita é cumprir os compromissos de investidura com a Galiza e promover o progresso social. A legislatura deve continuar.”

El Salto


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Javier H. Rodríguez

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular