Pesquisar
Pesquisar

Se quiser proteger população de imigrantes, Biden deve revisar efeitos do neoliberalismo dos EUA na América Central

Biden e Harris tem formulado como eixo de suas respostas a crise humanitária atender “as causas de fundo” da migração desde a América Central e México
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Desde que se intensificou o tema do fluxo migratório na fronteira do México e Estados Unidos, o governo de Biden tem formulado como eixo de sua resposta atender “as causas de fundo” da migração desde a América Central e México.

Biden, sua vice-presidenta Kamala Harris e os encarregados de política exterior para as Américas conversaram, realizaram viagens e comentaram sobre iniciativas para abordar essas “causas do fundo” no México e na América Central. Harris recentemente anunciou sua intenção de viajar ao México e à Guatemala

Leia também
Governo Biden solicita assistência do México para barrar fluxos migratórios para os EUA

Mas talvez devessem economizar mais viagens e ficar em casa em Washington para primeiro abordar uma das principais “causas de fundo” do fenômeno que está se manifestando na fronteira: as políticas econômicas e de “segurança” estadunidenses em toda a região ao longo das últimas décadas.

Antes de viajar e oferecer dólares a quem sabe quem nesse países para que os migrantes e refugiados fiquem em casa, talvez eles devessem permanecer em sua casa e convocar um grande elenco de historiadores, jornalistas, analistas, ex-funcionários, religiosos, defensores de direitos humanos e outros mais que possam lhes contar, se é que já não lembram, a longa e violenta história da mão estadunidense ao longo de mais de um século nesta região.  

Biden e Harris tem formulado como eixo de suas respostas a crise humanitária atender “as causas de fundo” da migração desde a América Central e México

Telesur
Fluxo migratório na fronteira do México.

Recordando o general Smedley Butler

Poderiam recordar o que disse o então soldado mais condecorado de seu país, o general Smedley Butler, nos anos trinta ao resumir sua carreira: “Dediquei 33 anos e quatro meses ao serviço militar ativo como membro da força militar mais ágil deste país, os marines… E durante esse período dediquei a maior parte do meu tempo a ser um golpeador de alta categoria para o grande empresariado, para Wall Street e para os banqueiros. Em suma, fui um estafador, um gângster para o capitalismo… Ajudei a fazer o México seguro, especialmente Tampico, para os interesses petroleiros estadunidenses, em 1914. Ajudei a fazer de Haiti e Cuba um lugar decente onde os meninos do National City Bank puderam arrecadar fundos. Ajudei na violação de meia dúzia de repúblicas centro-americanas para benefício de Wall Street”.

Leia também
Governo Biden perde controle da narrativa e mostra despreparo ao lidar com crise migratória

E desde esses tempos até hoje poderiam revisar a lista de intervenções, o apoio militar a ditaduras, a esquadrões da morte, à capacitação e financiamento de torturadores, onde forças apoiadas aberta ou clandestinamente por Washington – primeiro sob a justificação da Doutrina Monroe, depois sob a “guerra fria” contra o “comunismo” e mais recentemente contra os aliados de governos progressistas latino-americanos que se atreveram a não obedecer os desejos e receitas para a “democracia” e “liberdade” –  assassinaram a dezenas de milhares nesses países.

Sobre o tema
O propósito da aplicação da Doutrina Monroe pelos EUA na América Latina

Ou como o Departamento de Estado de Obama, com Hillary Clinton à frente, apoiaram o golpe de estado em Honduras em 2009 (vários dos golpistas foram formados no que antes se chamava Escola das Américas onde os Estados Unidos capacitam militares latino-americanos) de onde provém o governo atual desse país.

Poderiam revisar os efeitos das políticas neoliberais do chamado “consenso de Washington”, incluindo os acordos de livre comércio que ainda estão vigentes com o México e com os países centro-americanos, e cujo resultado empírico é que as maiores e mais exitosas exportações desta região – medido apenas por ingressos internacionais – são seus seres humanos e as drogas ilícitas.  

Também poderiam avaliar porque Washington, quase sem exceção, têm apoiado a represar qualquer movimento, frente, líderes políticos e outros mais, que buscaram mudar as condições de injustiça, violência e corrupção em seus países. 

Não se pode responsabilizar exclusivamente a Washington pelo que as cúpulas políticas e econômicas de todos estes países implementaram, mas se na verdade há interesse em localizar e abordar as “causas de fundo” do problema migratório, Washington deveria não apenas ver suas contrapartes no México e na América Central, mas sim ver-se a si mesmo.

Leonard Bernstein: “América” de West Side Story

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza