Pesquisar
Pesquisar

Seca drástica na Espanha exige abandonar modelo explorador da água, diz pesquisadora

"Nos encontramos com os limites de nosso sistema", explica Annelies Broekman, pesquisadora do Centro de Investigação Ecológica e Aplicações Florestais
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

A seca, como consequência da mudança climática, é uma realidade na Espanha. Irrompeu com virulência este ano e ameaça piorar nos próximos meses, o que provocará uma crise econômica nas zonas mais afetadas, medidas restritivas para o uso de água corrente, uma redução drástica das áreas cultivadas por regadio, um decréscimo inevitável da produção de energia hidroelétrica e um prejuízo que poderia ser irreparável nos ecossistemas.

As regiões mais afetadas serão as sulistas Andaluzia e Murcia, junto à Catalunha, de clima mediterrâneo e encravada no nordeste do país.

Cientistas, meteorologistas, agricultores, ativistas e alguns dirigentes políticos há vários anos advertem sobre o avanço imparável da seca e seus estragos na Espanha.

Associam a falta de água sobretudo às cada vez mais escassas chuvas nas zonas mais quentes ou desertas, mas também aos efeitos da mudança climática, como o aumento das temperaturas, os registros de fenômenos naturais adversos de enorme impacto ou simplesmente à falta de infraestrutura para aproveitar a água ao máximo.

Essas advertências já eram projetadas, mas em 2024 confirmaram-se os piores vaticínios, incluindo que o futuro de escassez de água, incluído para consumo humano, é a realidade na Espanha.

Os técnicos e cientistas da Agência Estatal de Meteorologia espanhola (Aemet) expuseram em um de seus últimos informes que os reservatórios estão dez pontos abaixo da média da última década e continuam perdendo água (apesar de haver algumas semanas, poucas, de aumento durante o ano).

Ou seja, embora as chuvas tenham sido intensas na zona do norte cantábrico (Galícia, País Basco, Astúrias, Cantábria e Aragão) onde as reservas de água são altas, o resto do país atravessa sérios problemas. Andaluzia se encontra a 20% de sua capacidade, com províncias como Almería abaixo de 10% e as reservas interiores da Catalunha estão abaixo de 18%.

A Aemet vaticina que existe “uma maior probabilidade de que as precipitações sejam mais abundantes do que o normal no noroeste peninsular, enquanto no resto se manteriam em valores médios”. No caso das Canárias, em troca, se esperam meses mais secos. A Aemet prognostica que toda a Espanha registre temperaturas mais altas do que o normal nos primeiros meses do ano, o que agudizará mais a escassez de água.

Continua após a imagem

"Nos encontramos com os limites de nosso sistema", explica Annelies Broekman, pesquisadora do Centro de Investigação Ecológica e Aplicações Florestais

Flickr
Annelies Broekman: "A escassez está em nossas próprias mãos, pois a seca é um fenômeno natural agravado pela mudança climática"

A Catalunha terminou 2023 com os reservatórios de suas bacias internas com cerca de 17% de sua capacidade, mas esses registros têm caído ao longo das últimas semanas, o que levou o governo a ativar o estado de emergência na área metropolitana de Barcelona com restrições mais severas: proibiu-se a utilização de água para a lavagem de veículos, tampouco se poderão usar regadeiras em ginásios e lugares de uso público e não se pode usar água para encher piscinas privadas e públicas.

A situação é igualmente crítica em Andaluzia, sobretudo na bacia de Guadalete-Barbate, como também em Guadalquivir, Andaluza, Região de Murcia e Segura.

Annelies Broekman, pesquisadora do Centro de Investigação Ecológica e Aplicações Florestais, reconhece que “a situação é muito triste, dramática”: “Passamos muitos momentos em que se esperava que chovesse muito e não choveu. As restrições tampouco evitaram. Nos encontramos com os limites de nosso sistema. A escassez está em nossas próprias mãos, pois a seca é um fenômeno natural agravado pela mudança climática”.

Lucia De Stefano, subdiretora do Observatório da Água na Espanha, indicou que em alguns pontos do país, como Andaluzia, Catalunha e Murcia, “a situação é preocupante”: “No caso do abastecimento de Barcelona, a dificuldade está no fato de que são bacias curtas porque as montanhas estão próximas do mar, não há grandes reservatórios e há uma grande aglomeração urbana. Assim, não têm esse colchão de segurança. Enquanto em Andaluzia sucede o contrário: há muito regadio e, embora tenham sido aplicadas restrições, a demanda é muito alta e a reserva se vê afetada”.

Para Broekman, uma das chaves para enfrentar a seca e seus estragos é uma “mudança de modelo”: “O atual é tão explorador, não só de água, também de território, energia, materiais. Temos que entender que aumentar o regadio não é uma opção. Que as indústrias consumidoras de água tampouco. Temos que revisar os projetos econômicos com um olho no território e no que realmente importa, que é que estejamos vivos. E isto deve ser feito por toda a Espanha, a úmida e a seca. Temos que mirar novas formas de fazer com que a manutenção do território seja fonte de trabalho e bem-estar para as pessoas”.

Diante desta crise da seca, o Executivo espanhol, presidido pelo socialista Pedro Sánchez, aprovou com urgência na semana passada uma série de medidas de “máxima prioridade”: haverá um investimento para a luta contra a seca de cerca de cinco bilhões de euros até 2027 para a modernização dos regadios e outros 813 milhões para infraestruturas de dessalinização, ou seja, a reconversão da água salgada do mar em água que possa ser de consumo humano.

O próprio mandatário espanhol reconheceu: “lamentavelmente já não se trata de conjurar uma ameaça incerta, mais ou menos provável, mas de adaptarmos aos efeitos de algo que já está aqui, entre nós, nas cidades e em nosso campo, que é, a mudança climática”.


Lei de memória democrática

O direitista Partido Popular (PP) e a extrema-direita do Vox aprovaram, no Parlamento regional da comunidade autônoma de Aragão, a revogação da lei de memória democrática, que servia como amparo legal e institucional para a busca dos restos mortais de milhares de reprimidos durante a ditadura franquista (1936-1975), que seguem enterrados em fossas comuns.

A revogação desta lei havia se convertido em um dos cavalos-de-batalha da extrema-direita, com líderes que abertamente defendem as “bondades” da ditadura e que nunca viram com bons olhos a exumação das vítimas da repressão.

Depois do acordo do governo autônomo, fruto das eleições de maio de 2023, o PP cedeu às exigências do Vox e aprovou a revogação da lei, à qual se opuseram os demais partidos; Partido Socialista Operário Espanhol, Podemos, la Chunta Aragonesista, Teruel Existe e Esquerda Unida.

Durante o debate, um grupo de pessoas, a maioria familiares de vítimas do franquismo, se concentraram às portas do recinto para exibir um enorme cartaz no qual se lia: “Derrogareis a lei, mas não a Memória”.

O porta-voz de Vox, Santiago Morón, chamou a antiga lei de “nefasta”, já que “foi uma ferramenta política de agitação social que serviu para abrir feridas e construir um relato desenhado visando enfrentar à sociedade espanhola do século 21”.

Enrique Gómez Arnas, da Associação para a Recuperação da Memória Histórica de Aragão, denunciou que “com muito esforço se conseguia, tardia e minimamente, desenterrar alguns daqueles inocentes, vítimas de uma repressão, ferozmente aplicada, sobre o melhor da sociedade espanhola durante os anos de impunidade. Hoje, gente que nunca renegou esse regime assassino tenta enterrar aqueles que tanto tempo custaram voltar a trazer à luz, por sua dignidade e a toda a sociedade… Tanto lhes molesta uma lei que outorga direitos às vítimas do franquismo? Onde essa atitude coloca toda a direita espanhola?”.

“Hoje é um dia triste, sem assumir o passado não se pode afrontar o futuro com garantias, nem verdadeira convivência. Nós vemos isso claramente, já atravessamos o deserto em demasiadas ocasiões; mas não se equivoquem, seguiremos na luta até conseguir a verdade, a justiça e a reparação, para que esta sociedade reconheça a dignidade daqueles que lutaram para que a ditadura não volte a se repetir nunca mais!”, agregou.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Censura_EUA_livros_aborto
Ultradireita tenta proibir 4,4 mil livros nos EUA e ressuscita lei antiaborto de 1864 no Arizona
Russia_China_cooperacao
China e Rússia ampliam cooperação contra ofensiva do Ocidente na Eurásia
Palestina_fome_Israel_crime_de_guerra
Tática de Israel para matar palestinos de fome é crime de guerra; bebês e crianças choram dia e noite
Lira_Centrao_Legislativo_Executivo
Cannabrava | Parlamentarismo às avessas encurrala o poder Executivo