Pesquisar
Pesquisar

Secretário-geral da OEA diz que corruptos comandam o impeachment

Redação Diálogos do Sul

Tradução:

Luis Almagro. Foto: Juan Manuel Herrera/OEA
Luis Almagro
. Foto: Juan Manuel Herrera/OEA

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, demonstrou preocupação com a ameaça à democracia no Brasil.

Em entrevista ao jornal espanhol El País, divulgada por vários outros veículos de comunicação, ele diz que o processo de impeachment em curso no Congresso brasileiro está sendo conduzido por congressistas “acusados e culpados” de corrupção.
“O feito fundamental é que está sendo realizado um processo de impeachment de uma presidenta [Dilma Rousseff] que não é acusada de nada, não responde por nenhum ato ilegal. É algo que verdadeiramente nos preocupa, sobretudo porque vemos que entre os que podem acionar o processo de impeachment existem congressistas acusados e culpados. É o mundo ao contrário”, declarou ao El País, sem citar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (denunciado ao Supremo Tribunal Federal), o vice-presidente da República, Michel Temer, citado nas investigações de corrupção da Operação Lava Jato, e parlamentares denunciados ao STF.
Para o secretário –geral da OEA, “sem democracia é impossível combater a corrupção, impossível conseguir condições de desenvolvimento, gerar direitos e eliminar as discriminações que ainda existem no continente”.
Almagro já havia se manifestado sobre a crise política no Brasil no começo deste mês. No último dia 5, em entrevista em Washington (EUA), o secretário-geral disse que não há “fundamento” para o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
“Devemos ir pelo caminho do respeito aos mandatos constitucionais e a honestidade de uma pessoa, porque se hoje você não tem nenhuma acusação, nenhuma mancha em termos de corrupção sobre a presidenta Dilma Rousseff, então não há nenhum fundamento para avançar em um processo de destituição, definitivamente não”, afirmou na ocasião.
Almagro está prestes a completar um ano no cargo de secretário-geral da OEA. Durante esse período, seu objetivo foi levantar uma instituição que havia perdido peso no continente. O ponto fundamental para Almagro passa por um aprofundamento democrático. Somente assim, afirma, os males da região como a violência, a desigualdade e a corrupção poderão ser combatidos.
Temer, Cunha e parlamentares envolvidos na Lava Jato não se manifestaram sobre as declarações do secretário-geral da OEA.

As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia