Pesquisar
Pesquisar

Segundo estudo, ricos perdem 3% da renda com a pandemia, enquanto pobres perdem 32%

O boletim tem como base os dados sobre renda da Pnad, do IBGE, referentes aos segundos trimestres de 2020 e 2019
Julinho Bittencourt
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Todos perderam com a pandemia do Coronavírus. Mas os pobres perderam muito mais, ao menos nas regiões metropolitanas. Isto é o que aponta o primeiro boletim “Desigualdade nas Metrópoles”, que compara dados do segundo trimestre de 2020 com o mesmo período do ano passado, antes da pandemia.

De acordo com os números, na média das 22 regiões metropolitanas, os 40% mais pobres perderam 32,1% da renda, os 50% intermediários perderam 5,6% e os 10% mais ricos perderam 3,2%.

O estudo é de pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Observatório das Metrópoles e Observatório da Dívida Social na América Latina (RedODSAL).

O boletim tem como base os dados sobre renda da Pnad, do IBGE, referentes aos segundos trimestres de 2020 e 2019

Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil
Salvador, de acordo com o estudo, foi a metrópole onde os mais pobres perderam mais renda

O boletim tem como base os dados sobre renda da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, referentes aos segundos trimestres de 2020 e 2019. 

Salvador, de acordo com o estudo, foi a metrópole onde os mais pobres perderam mais renda, com uma queda de 57,4%.

O coeficiente de Gini chegou a 0,640 no segundo trimestre de 2020, na média das 22 regiões metropolitanas estudadas. No mesmo período de 2019, ele estava em 0,610. Em comparação ao primeiro trimestre deste ano, a distância entre topo e base também aumentou, de 0,610 para 0,640.

Na escala do Coeficiente de Gini, zero significa igualdade total de renda. Quanto mais próximo de um, por sua vez, maior será a desigualdade.

Quanto à desigualdade racial, negros receberam 57,4% da renda dos brancos no segundo trimestre de 2020. As regiões com menos diferença de renda entre brancos e negros são as de Macapá (73,1%), Florianópolis (70,6%) e Goiânia (70, 4%). O boletim ressalta que nestas regiões a desigualdade geral é menor.

Com informação da Folha

Veja também

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Julinho Bittencourt

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos