Pesquisar
Pesquisar

Seleção feminina recebe investimento inédito, mas falta de incentivos ainda atinge clubes

Para Tatiane Vidal, administradora da página Rainhas da Copa, futebol feminino tem evoluído no país, o que é percebido na profissionalização das jogadoras
Jéssica Rodrigues
Brasil de Fato
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Os investimentos no futebol feminino brasileiro não chegam perto do modalidade masculina, no entanto, neste ano há bastante expectativa no desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo de Futebol Feminino, que começa nesta quinta-feira (20). Uma estrutura inédita foi montada para a preparação das jogadoras nesta edição, com delegação recorde, voo fretado e um núcleo de saúde e performance.

Amanda Viana é comentarista do Planeta Futebol Feminino, projeto independente de cobertura de jogos de futebol feminino. Para ela, é importante enxergar esses avanços como algo indispensável a ser implementado para todos os clubes.

Quase-jogadoras de futebol: meninas sofrem com falta de times de base no Brasil

“Lógico que a questão financeira pega muito, nós ainda temos muitos clubes que não conseguem ter o investimento necessário. Temos alguns clubes que, na minha visão, tem dinheiro, mas não aplicam da forma mais inteligente para potencializar o talento que existe ali”, conta.

Para Tatiane Vidal, administradora da página Rainhas da Copa, futebol feminino tem evoluído no país, o que é percebido na profissionalização das jogadoras

Marcelo Camargo/Agência Brasil
A Copa do Mundo de Futebol Feminino acontece do dia 20 de julho ao dia 20 de agosto na Nova Zelândia e na Austrália

Amanda explica que, além das dificuldades impostas aos clubes femininos, existe pouco incentivo para meninas iniciarem no futebol e, por isso, acabam começando a treinar com idade mais avançada que os meninos.

“Nós temos poucas categorias, são poucos os lugares, muitas vezes a gente acaba vendo meninas tendo que jogar com meninos para conseguirem bater bola na sua idade. Esse é um ponto que vem mudando, mas precisa evoluir mais porque a entrada no esporte quanto antes vier melhor, pois começa a trabalhar fundamentos, mentalidade e as questões de base mesmo”, explica a comentarista.

Já Tatiane Vidal, administradora da página Rainhas da Copa, projeto que aborda notícias e curiosidades do mundo do futebol feminino, acredita que a seleção brasileira é uma das mais fortes do mundo pela sua história.

Continua após o banner

“Eu vejo que os clubes podem ajudar a seleção feminina. É um fenômeno tipo rio para o mar, a seleção feminina seria o mar e os clubes são os rios que fornecem para o mar. Eu entendo que os clubes fortes fortalecem o futebol feminino porque por mais que tenham clubes estrangeiros, as jogadoras brasileiras não conseguem entrar no mercado estrangeiro, então o primeiro mercado delas é aqui no Brasil. Se houver um mercado forte, campeonato forte, dinâmico, com a CBF ajustando isso para as jogadoras, fortalece a seleção feminina”, diz.

Para Tatiane, a prova de que o futebol feminino tem evoluído no país é a profissionalização das jogadoras com o passar dos anos. “Agora as meninas sabem jogar, elas têm tática. Você vê as meninas do sub 15, sub 13, você fica impressionado, as meninas jogando com os meninos você fala ‘cara era só isso que precisava, de alguém que falasse que é a perna esquerda que você bate, não é essa mão, a mão tem que botar para trás, é a cabeça desse jeito’ coisas que parecem bobas para os meninos porque aprendem desde criança, as meninas vão aprender só com 18, 19 anos”, conta Tatiane.

Continua após o banner

A Copa do Mundo de Futebol Feminino acontece do dia 20 de julho ao dia 20 de agosto na Nova Zelândia e na Austrália. O primeiro jogo do Brasil acontece na próxima segunda (24) contra o Panamá, a partir das 8h.

Edição: Mariana Pitasse


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Jéssica Rodrigues

LEIA tAMBÉM

Lira_Centrao_Legislativo_Executivo
Cannabrava | Parlamentarismo às avessas encurrala o poder Executivo
Petrobras
Juca Ferreira | Crise na Petrobras só atende interesses estrangeiros e do mercado
Mulheres_luta_por_moradia_Desocupação_do_Horto_RJ
Mais atingidas pela pobreza, mulheres estão na linha de frente da luta por moradia no Brasil
Brasil_histpria_quarteladas
Frei Betto | História do Brasil é marcada por quarteladas; impunidade ameaça futuro