Pesquisar
Pesquisar

Sem dar as costas a Lukashenko, Putin diz que bielorrussos devem resolver controvérsias

Presidente russo deixou claro que não está disposto a salvar a qualquer preço a Lukashenko, mas tampouco permitirá que a Bielorrússia rompa com seu país
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

“Não somos indiferente ao que acontece na Bielorrússia, o país mais próximos a nós, em todos os sentidos”, afirmou nesta quinta-feira (27) o presidente Vladimir Putin, mas deu a entender que não enviará tropas para apoiar o governo de Aleksandr Lukashenko a menos que se produzam violentos distúrbios instigado do exterior, em alusão aos Estados Unidos e os países da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Putin quis que se lesse nas entrelinhas que não está disposto a salvar a qualquer preço a Lukashenko, mas tampouco permitirá que a Bielorrússia rompa com a Rússia e deixe de ser a espécie de amortecedor com a OTAN que tem sido até agora. 

O mandatário o fez em uma entrevista a um canal da televisão pública russa, na qual revelou que Lukashenko – encurralado por multitudinárias manifestações de protesto e greves em muitas empresas da Bielorrússia sob a mesma demanda de celebrar novas eleições presidenciais, de cessar a repressão e libertar todos os presos políticos -, lhe pediu ajuda. 

Presidente russo deixou claro que não está disposto a salvar a qualquer preço a Lukashenko, mas tampouco permitirá que a Bielorrússia rompa com seu país

izwest.livejournal.com
Putin não permitirá que a Bielorrússia rompa com seu país.

“Aleksandr Grigorievich (Lukashenko) me pediu que formasse uma reserva determinada de efetivos das forças da ordem. E eu o fiz. Ao mesmo tempo, acordamos que não vai ser utilizado (esse contingente) até que a situação saia de controle e os elementos extremistas, encobrindo-se com lemas políticos, cruzem uma certa linha e comecem a causar desmandos, a queimar automóveis, edifícios, bancos, a tomar por assalto sedes governamentais e coisas desse tipo”, precisou Putin. 

“Neste momento não é necessário outorgar essa ajuda ainda, e esperamos que não faça falta”, agregou. 

Putin – que segundo se comenta não perdoa a Lukashenko seu flerte com a União Europeia e sua negativa a formalizar a absorção de fato da Bielorrússia dentro de uma confederação com a Rússia – propõe que os próprios bielorrussos resolvam suas controvérsias.

A única coisa que não admite o titular do Kremlin é que os Estados Unidos e a OTAN se intrometam na Bielorrússia para inclinar a balança em um sentido que, do seu ponto de vista, possa significar uma ameaça à segurança da Rússia.

Essa é a linha que ninguém deve cruzar se não quiser ver tropas e tanques russos situados em posições chaves nas ruas de Minsk.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição