Pesquisar
Pesquisar

Sem reajuste salarial há três anos, haitianos protestam contra condições trabalhistas

Mantida pela força dos EUA, ação policial reprime manifestações com bombas de gás e agressões físicas aos trabalhadores
Redação MST
MST

Tradução:

A classe trabalhadora no Haiti passa por um momento crítico. Nos últimos três anos, não houve reajuste salarial, as condições de trabalho são precárias, direitos trabalhistas não são respeitados. Esta situação, construída pelos os governos do partido PHTK, está ativa há mais de dez anos, desestabilizando o estado haitiano e transformando o Haiti dependente econômica e politicamente dos EUA.

A situação é grave; o país vive uma inflação anual de 24%, a taxa de câmbio incontrolável (cada dia um valor mais alto), desvalorizando a moeda local. A vida está cara, e durante toda esta semana, trabalhadoras(es) realizaram manifestações para expor sua indignação com a conjuntura atual, denunciando a falta de reajuste salarial.

Hoje, o salário diário está em 500 Gourdes (4,5$); as(os) trabalhadoras(es) reivindicam um aumento salarial para 1.500 Gourdes (14,5$).

Durante as manifestações, um grande contingente policial efetuou uma feroz repressão, atacando ferindo várias(os) trabalhadoras(es) com bombas de gás e agressões físicas. Esta ação policial é símbolo de um governo autoritário, antidemocrático, mantido pela força dos EUA.

Mantida pela força dos EUA, ação policial reprime manifestações com bombas de gás e agressões físicas aos trabalhadores

Captura de tela – TELE GINEN / YouTube
A situação é grave: o país vive uma inflação anual de 24 e taxa de câmbio incontrolável, desvalorizando a moeda local

E este cenário de manifestações seguirá durante as próximas semanas, de acordo com as centrais sindicais “Batay Ouvriye” e “CNOHA”, que mobilizam as(os) trabalhadoras(es) do parque industrial, onde encontram-se concentrados o maior número de assalariadas(os) da capital, Porto Príncipe.

É necessário que outras nações sejam solidárias com a classe trabalhadora Haitiana, com o povo que sofre com a gerência do partido PHTK, gerência coordenada a partir dos interesses dos EUA. 

Solidariedade dos povos da América e Caribe, por um Haiti Livre, com autonomia política e econômica.

Por Brigada Internacionalista Jean-Jacques Dessalines
Da Página do MST
Editado por Fernanda Alcântara


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação MST

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu